A Interpol emitiu um alerta mundial a respeito dos comprimidos de emagrecimento, também usados no mundo do culturismo, que terão provocado a morte de uma jovem inglesa e graves problemas de saúde a um cidadão francês. A substância em causa é o DNP (dinitrofenol), habitualmente vendido sob a fórmula de cápsulas ou pó, e também presente em cremes. O DNP foi uma substância popular anos 30 para estimular o metabolismo e perder peso, mas acabou por ser retirado do mercado após ter sido associado a várias mortes. Agora o DNP, que é utilizado mais vulgarmente em explosivos, voltou a ser detetado em produtos de emagrecimento e de ajuda ao desenvolvimento de músculos.

No final do mês passado foi amplamente noticiada no Reino Unido a morte da jovem universitária Eloise Aimee Perry, de 21 anos, na sequência do consumo de comprimidos de emagrecimento, comprados na Internet, à base desta substância perigosa. Na altura dos acontecimentos, a mãe da jovem relatou à comunicação social que a filha "queimou por dentro" após a ingestão dos comprimidos.

"A maioria de nós não acredita que um comprimido de emagrecimento poderia matar-nos. O DNP não é uma pílula de emagrecimento milagrosa. É uma toxina letal", testemunhou Fiona Perry, mãe da estudante.

Na altura, a polícia britânica iniciou investigações e alertou as pessoas para os perigos do consumo de substâncias compradas online.

Agora é a vez da Interpol emitir um alerta com o objetivo de pôr de sobreaviso a polícia e entidades internacionais, bem como a população em geral, para o perigo destes comprimidos que são produzidos em laboratórios clandestinos, expondo "os consumidores a um risco acrescido de 'overdose' devido à sua falta de competências especializadas", diz a Interpol.

O DNP está a ser vendido para fins de emagrecimento ilegalmente, uma vez que se trata, na verdade, de um químico industrial não destinado ao consumo humano. Se consumida, a substância leva a um aquecimento e aceleração do metabolismo que pode causar desde lesões na pele, cataratas, lesões no coração e no sistema nervoso central e morte. #Vida Saudável