As noites de Sexta-feira e Sábado tornam-se perigosas devido ao abuso de álcool por parte de jovens, frequentando discotecas e bares. O pior vem de seguida, quando se deitam para descansar da noite estafante, e no dia seguinte, ao acordar, estão cheios de dores de cabeça, com uma ressaca enorme. O que provoca realmente a ressaca?

O efeito diurético do álcool faz com que o corpo sofra uma enorme perda de água, desidratando. Mas também pode sofrer o efeito de congéneres, que são substâncias produzidas no espaço de fermentação, processamento ou envelhecimento da bebida, sendo que algumas são extremamente tóxicas. Bebidas mais claras, como a vodka, normalmente contêm menos congéneres que as bebidas escuras, como whisky e vinho tinto.

Segundo o jornal The Guardian, que publicou um artigo sobre as consequências da ressaca e porque é que ela é prejudicial à saúde. O artigo esclarece que as ressacas desenvolvem-se através dos efeitos secundários dos químicos produzidos pelo álcool. As enzimas, naturalmente existentes no corpo, transformam-se em acetaldeído, e quanto mais tempo se manter no nosso organismo, pior será para o fígado.

Na Austrália, mais de quatro mil gémeos foram submetidos a um estudo, que mostrou que a genética é um factor importante no que respeita ao surgimento e intensidade da ressaca. Também no ano passado foi feito um estudo nos Estados Unidos da América, que procurou estudar o que acontecia aos micróbios do nosso organismo sob influência de consumo excessivo de álcool. Através de alguns voluntários, que sofreram os piores sintomas, conseguiu apurar-se que os maiores níveis de toxinas eram causados pela presença de micróbios nos intestinos, sendo que este aumento é proveniente devido à inflamação causada pelo álcool.

Antes de sair para uma noite que envolva álcool, previna-se com algumas dicas: tome anti-inflamatórios, coma alimentos gordurosos, muitos vegetais verde-escuros (em especial os que têm mais nutrientes, como espinafres e brócolos), muitos frutos ricos em resveratrol e por último coma romãs, açaí e groselha. #Alimentação #Vida Saudável