Um doente suspeito de ter o vírus Ébola passou por Portugal. O guineense viajou de África para a Galiza, mas antes passou por Lisboa e seguiu de autocarro até ao Porto. Viajava para Espanha a fim de visitar a mulher, que deu à luz recentemente. Até ao momento não há indicações de doentes portugueses que tenham dado entrada no hospital.

Um homem de 24 anos, natural da Guiné Conacri, está internado num hospital em Vigo por suspeitas de estar doente, depois de apresentar sintomas idênticos aos do vírus do Ébola. O paciente viajou para a Europa no último domingo, 25 de Outubro, aterrando primeiro no aeroporto da Portela, em Lisboa. Depois seguiu viagem de autocarro até ao Porto e mais tarde até àquela zona da Galiza. O homem foi internado apenas na terça-feira, 27 de Outubro, depois de estar há já vários dias com febre. Outras dez pessoas, que contataram diretamente com o indivíduo doente, estão também em observação.

Em Portugal não há até ao momento qualquer indicação de alguém que tenha sido internado nas últimas horas. Também o Director-geral de Saúde, Francisco George, já tomou conhecimento do sucedido mas lembra que “para já, só podemos aguardar”, reforçando ainda que todas as suspeitas que surgiram em Portugal desde o surto do Ébola não se traduziram em nada, conforme escreve o Jornal de Notícias.

Entretanto, no Hospital Meixoeiro de Vigo, para onde o paciente foi transferido, já se fizeram todas as análises específicas, sendo que estão no momento a ser analisadas no Centro Nacional de Microbiologia de Madrid. Os resultados devem ser conhecidos ainda durante o dia de hoje, quarta-feira. Porém, o Subdirector-geral de Informação e o chefe de Medicina Preventiva do hospital de Vigo fizeram hoje saber que a probabilidade de o doente estar realmente infetado é muito pequena. Adiantaram ainda que o doente está estável e a reagir bem aos medicamentos.

Caso as análises não confirmem a existência do vírus do Ébola há que voltar a fazer novos exames para confirmar a veracidade do primeiro resultado. #Ébola #Casos Médicos