Não há estrato social nem protagonismo que consigam fazer frente à anorexia. Não acontece só nos desfiles de moda, nem nas famílias menos instruídas. Acontece em qualquer casa, basta que para isso se reúnam uma série de condições que, à primeira vista, até podem parecer evidentes, mas estão longe de ser de fácil leitura. Júlia Pinheiro é agora o rosto do sofrimento por causa da anorexia nervosa.

Filha de Júlia Pinheiro internada

As gémeas Carolina e Matilde sofrem ambas de anorexia nervosa e as duas já estiveram internadas. Matilde esteve hospitalizada com 12 anos; Carolina, de 22 anos, está agora sob os cuidados médicos. Júlia Pinheiro não escondeu o problema, mas não o aprofundou, porque considera que a doença não é dela, o que lhe retira o direito de tecer qualquer comentário. O respeito pela privacidade da filha estanca qualquer pico de curiosidade que a fama exacerba. Mais importante do que saber o que se passa com Carolina, seria saber o que é a anorexia nervosa e a que sintomas devemos estar atentos.

"A minha filha não come à mesa connosco", eis uma pista de que algo não está a correr bem. Quando as refeições em família são vistas como incómodas, isso revela um dos sintomas da anorexia. Segundo o site Minha Vida, a doença é caracterizada por um distúrbio alimentar provocado por uma obsessão pelo peso. Mesmo que o espelho mostre apenas ossos e a balança revele um peso abaixo do normal, a doente acha sempre que está gorda. Não come ou força a saída da comida através do vómito. Se a isto juntarmos os nervos descontrolados, a doença ganha proporções preocupantes. O internamento é sempre o método mais seguro, porque o utente pode atentar contra a própria vida.

Há quem defenda causas genéticas mas há outros factores que podem explicar o desenvolvimento da doença: bullying, falta de aceitação no grupo, obsessão pelo corpo e pela perfeição, alteração brusca da rotina diária. A televisão é também responsável pela obsessão corporal ao promover profissionais que exibem curvas consideradas perfeitas. Pessoas que trabalham com o próprio corpo e que se sentem alvos de comparação com outros têm tendência a procurar meios exagerados para perder peso rapidamente.

Quando a anorexia de abate num ambiente familiar, mais do que saber as causas, urge procurar a cura. Os profissionais de saúde devem sempre ser os primeiros a lidar com a situação e a traçar o percurso do utente. A auto-medicação e a falta de ajuda externa podem complicar o quadro clínico que, como qualquer outra doença, precisa de ser diagnosticado a tempo para haver hipótese de cura. #Famosos #Casos Médicos #Alimentação