A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou ontem, dia 29 de Dezembro, o fim da epidemia de Ébola que se instalou na Guiné Conacri, passados 42 dias desde o registo do último caso no país africano. A última pessoa infectada com esta doença foi submetida a dois testes consecutivos, que tinham como objectivo encontrar ainda a presença deste vírus, tendo ambos dado resultados negativos.

Depois de a Guiné Conacri ter sido o primeiro país a ter o registo do primeiro caso, a epidemia acabou por se espalhar à Libéria e Serra Leoa, o que resultou em mais de 28 mil infectados e em mais de 13 mil mortes.

Segundo o comunicado da Organização Mundial de Saúde (OMS), a mesma felicita o governo guineense e a sua população pela fantástica perseverança e liderança no que ao combate desta epidemia diz respeito.

Já Mohamed Belhocine, representante da OMS na Guiné Conacri, afirmou que a organização e os seus parceiros darão continuidade ao apoio ao país durante os próximos 90 dias de modo a reforçar a vigilância sanitária para que, caso surja um novo caso, seja rapidamente identificado antes que se propague.

Haverá igualmente reforços nos serviços de saúde na Libéria e Serra Leoa, com destaque para as mães e crianças, depois de terem ficado bastante escassos, fruto dos efeitos de Ébola, que também se alongou até ao território da Nigéria e Mali.

O surto de Ébola deixou cerca de 4 mil sobreviventes que continuam com problemas de saúde, daí a necessidade de cuidados médicos e apoio social.

Apesar deste anúncio por parte da Organização Mundial de Saúde, os próximos meses serão absolutamente críticos, pois alguns homens podem transportar o vírus no sémen entre 9 a 12 meses.

Os sintomas têm seu início duas a três semanas depois de se contrair Ébola, sendo manifestados através de febre, garganta inflamada, dores musculares ou dores de cabeça. Após esta primeira manifestação, seguem-se os vómitos, diarreia ou exantema, juntando-se a insuficiência hepática e renal. Após estes sintomas, o corpo da pessoa infectada pode originar hemorragias, tanto internas como externas.

Em caso de morte, esta ocorre geralmente entre 6 e 16 dias após o início dos sintomas referidos, embora na maior parte dos casos, se deva à diminuição da pressão arterial resultante da perda de sangue.

O contacto com sangue ou fluidos biológicos de um ser humano ou animal infectado podem ser um dos factores desta doença. #Ébola #Casos Médicos