Um novo inquérito veio trazer a público a realidade dos #Jovens europeus e afirma que as raparigas têm pior saúde mental do que os rapazes. Gauden Galea, diretor da divisão de Doenças Não Comunicáveis e Promoção da Saúde no escritório da Organização Mundial de Saúde para a Europa, afirmou à agencia Lusa que cada vez mais são mais visíveis as desigualdades entre os sexos na adolescência.

Segundo o inquérito "Health Behaviour in School-aged Children" (HBSC) da Organização Mundial de Saúde, elaborado em 2013 e 2014 junto de jovens entre os 11, 13 e 15 anos de 42 países da Europa e América do Norte, 80% dos adolescentes estão satisfeitos com a vida.

A satisfação com a vida tem propensão a diminuir a partir dos 13 anos, idade em que as raparigas começam a sentir mais pressão. As raparigas inquiridas afirmam sentir menos saúde mental. Segundo o estudo, uma em cada cinco adolescentes define a sua saúde mental como fraca.

Gauden Galea acrescentou ainda que as questões relacionadas com o peso são um dos fatores que influenciam estes resultados. Apesar de terem menos excesso de peso do que os rapazes, as raparigas sentem uma maior pressão para fazer dieta e sentirem-se gordas, isto porque sentem uma forte necessidade de corresponder a determinados padrões e exigências sociais. 43% das raparigas com 15 anos afirmam estar com demasiado peso. Talvez por isso, um quarto das inquiridas com a mesma idade afirme que está a fazer dieta ou a tomar várias medidas contra o aumento de peso.

Também os fatores relacionados com a economia estão a influenciar estes resultados; segundo o inquérito, as raparigas pertencentes a famílias mais pobres apresentam-se mais propensas a ter problemas mentais do que aquelas que estão inseridas em contextos mais favorecidos.

O diretor da divisão de Doenças Não Comunicáveis e Promoção da Saúde esclareceu ainda que este estudo veio comprovar a necessidade de criar uma maior valorização das raparigas de forma a fortalecer a autoestima, até porque os hábitos sociais adquiridos nesta idade afetam toda a vida, sendo por isso imperativo que as raparigas comecem a ter mais atenção com a sua saúde. #Vida Saudável