As cicatrizes são constituídas por fibras de colagénio e resultam da regeneração após lesão de tecidos seja por trauma ou por intervenção cirúrgica. O sucesso do processo de cicatrização depende de factores individuais (características genéticas, formato da cicatriz, localização, extensão e gravidade da lesão, hábitos de vida, idade, cuidados dispensados na fase de recuperação) ou da técnica cirúrgica. Na pele com cicatriz podem ocorrer alterações estéticas e complicações clínicas de relevo que devem ser evitadas.

Durante o processo de reparação tecidular, a cicatriz passa por vários estádios, devendo numa fase final (pode ir até 24 meses) possuir uma coloração idêntica à da pele local, ser fina e não apresentar relevo, tornando-se quase imperceptível. Quando as cicatrizes são patológicas podem ser dolorosas e formar fibroses (excesso de fibras de colagénio) ou retracções que provocam alterações na mobilidade dos tecidos adjacentes. Estas aderências cicatriciais desencadeiam rigidez e hipomobilidade (diminuição da mobilidade), não só da pele como dos outros tecidos vizinhos (fáscia, músculos, tendões, ligamentos, cápsula articular, nervos, órgãos).

As cicatrizes patológicas são causadoras de outras doenças com gravidade considerável e que originam incapacidade funcional. Podem surgir variações no funcionamento visceral, alterações de crescimento (em crianças), disfunções emocionais, distúrbios do sono, alterações de sensibilidade táctil, térmica e dolorosa (área hipersensível à dor ou com perda de sensibilidade, anestesiada), restrição do movimento normal, diminuição da flexibilidade e da força alterações posturais, deformidades articulares/ósseas, dores articulares, edema, dor no acto sexual, e dor de cabeça.

Existem vários tipos de tratamento,  mais ou menos invasivos, com possibilidade de recorrer à medicina tradicional ou optar pela fisioterapia como método conservador. A fisioterapia constituí uma opção viável tanto como tratamento de uma cicatriz patológica, como para prevenção do seu surgimento e suas principais complicações.   #Casos Médicos #Vida Saudável