As pessoas enlutadas pelo suicídio de um cônjuge têm risco aumentado de transtornos mentais e físicos, comportamento suicida, morte e eventos sociais adversos, de acordo com um estudo nacional conduzido na #Dinamarca e publicado online pela publicação especializada em saúde JAMA Psychiatry.

O estudo foi feito pelo Instituto de Pesquisa Dinamarquês para a Prevenção do Suicídio, Centro de Saúde Mental, em Copenhaga, onde compararam pessoas enlutadas por suicídio conjugal com a população em geral e as pessoas enlutadas por morte conjugal de qualquer outra forma. A população do estudo incluiu quase 3,5 milhões de homens (4.814 dos quais ficaram viúvos por suicídio conjugal) e mais de 3.5 milhões de mulheres (10.793 ficaram viúvas por suicídio conjugal).

Publicidade
Publicidade

Entre outros resultados, os investigadores constataram que os cônjuges enlutados pelo suicídio de um parceiro tinham maior risco do que a população em geral de desenvolver distúrbios de saúde mental dentro do período de cinco anos após a perda.

O estudo revela que os viúvos nesta condição têm mais elevado risco de desenvolver distúrbios físicos, como cirrose e distúrbios do sono, que podem ser atribuídos a lutos pouco saudáveis, do que a população em geral. Do mesmo modo são mais propensos a ter mais benefícios de licença por doença, fundos de pensão de invalidez e apoio municipal do que a população em geral.

Os números mostram que, quando comparados com viúvos cujos cônjuges morreram por outras causas, os enlutados por suicídio têm maiores riscos de desenvolver distúrbios de saúde mental, comportamentos suicidas e até morte.

Publicidade

"O falecimento após o suicídio constitui um factor de stress psicológico e continua a ser um fardo para a saúde pública. Há necessidade de chegar aos enlutados de forma mais proactiva e mais ligação a mecanismos de apoio para as pessoas enlutadas pelo suicídio conjugal, de modo a ajudá-las no seu luto ", conclui o artigo.

De acordo com a Pordata, registaram-se 1.127 óbitos por suicídio em Portugal em 2015 e 1.216 em 2014. #Internacional #Casos Médicos