Na passada quarta-feira, dia 21 de janeiro, a Câmara Municipal de Palmela aprovou, no decorrer da reunião pública, uma moção sobre o Serviço Nacional de Saúde e sobre a situação atualmente presenciada nas urgências hospitalares do distrito e do país. Conforme explica o município, este manifesto "exprime a sua solidariedade para com todos os profissionais de saúde, que têm dado o seu melhor neste período de enorme afluência aos cuidados de saúde", expressando a sua inquietação face ao atendimento prestado aos utentes. Nesta moção é ainda salientada a carência de recursos humanos e materiais, as lacunas presentes na área da gestão das políticas públicas da saúde e, em última instância, o desinvestimento contínuo no Serviço Nacional de Saúde.

Estas questões que conquistam maior dimensão, em especial, nos serviços de urgência são, segundo o executivo, "a base do problema". A triagem de Manchester, empregada pelos hospitais, tem imposto tempos de espera muito para além do aconselhável, sobretudo nas faixas etárias mais vulneráveis.

Outro dos temas em discussão é a inexistência de uma resposta alargada e eficiente por parte dos centros de saúde, extensões e unidades de saúde familiares, que acaba por adensar o número de utentes que se socorrem das urgências hospitalares. Esta realidade que se traduz em tempos de espera amplificados é, alegadamente, uma das principais razões para a ocorrência de óbitos por falta de assistência rápida.

A Câmara Municipal de Palmela contesta ainda "a assunção de responsabilidades por parte de quem conduz as políticas públicas de saúde, a tutela, face à degradação da resposta às populações, colocando em causa o princípio constitucional de garantia de acesso aos cuidados de saúde".

Deste modo, esta proposta que foi apresentada pela bancada do PS conseguiu reunir a aprovação da maioria CDU e a abstenção do Vereador Paulo Ribeiro, da coligação Palmela Mais (PPD-PSD/CDS-PP). A moção deverá agora ser enviada ao Ministro da Saúde, à Ordem dos Médicos, à Ordem dos Enfermeiros, ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Setúbal e à ACES da Arrábida.