Tão chocante quanto parece. Um homem, de 66 anos, foi detido nesta quinta-feira, dia 26, pela Polícia Judiciária de Setúbal. Alegadamente é este o responsável pelo homicídio de uma vizinha de 72 anos, barbaramente assassinada, à machadada, no Verão do ano passado, na Cova da Piedade, em Almada. Do violento assalto retirou 200 euros.

Quando a polícia encontrou a vítima, de mãos e pés atados, e com uma machada cravada na cabeça, começou à procura de uma solução para tão hediondo crime. O facto de não haver nada arrombado deixava antever que teria sido uma pessoa que conhecesse a vítima. Ainda por cima esta septuagenária vivia sozinha há apenas um dia, uma vez que o marido fora internado, no dia anterior, por padecer da doença de Alzheimer. No entanto, só vários meses depois, e através de uma impressão digital na casa da vítima, a Polícia conseguiu chegar a este suspeito.

Trata-se de um pedreiro, que até já tinha cadastro. De acordo com a TVI, o homem já tinha sido condenado por homicídio, na década de 90, e também os vizinhos terão relatado alguns episódios violentos, com este homem como protagonista. Uma vizinha terá mesmo mudado de casa, por este andar, constantemente, a forçar a mulher para lhe fazer transferências de dinheiro para a sua conta. Num outro episódio, os vizinhos terão visto o homem bastante ferido e terão constatado também que este andava, constantemente, envolvido em "zaragatas".

No entanto, em declarações à TVI, uma vizinha mostrou-se muito chocada com este possível desfecho. Quando viu a Polícia Judiciária a deter o vizinho não imaginou que se pudesse tratar do homicida da septuagenária. "Nós, por aqui, sempre desconfiamos que fosse alguém que a conhecesse bem, por que a casa nem estava arrombada. Ela abriu-lhe a porta, porque conhecia a pessoa. Mas nunca desconfiámos dele. Eu nunca pensei que ele a matasse, nunca me passou pela cabeça", relatou a vizinha à TVI.

Esta mesma vizinha classifica o suspeito como "uma pessoa normalíssima. Eu acho que ele se dava com todos os vizinhos, nada fazia prever que isto fosse acontecer aqui", considerou a mesma.

O suspeito vai aguardar julgamento em prisão preventiva.



#Justiça #Crime