Ao longo dos últimos anos, a Península de Troia tem sofrido um grande desenvolvimento, tendo conseguindo afirmar-se como um dos destinos de excelência da zona. Enquanto referência no #Turismo Português, a sua área tem vindo a ser estudada, para que possam ser identificados todos os seus riscos e deste modo solucionar rapidamente qualquer situação que se revele mais problemática para quem a visita.

Neste sentido, no último dia 10, a Infratroia, enquanto entidade responsável pela administração das infraestruturas na Península de Troia, esteve reunida com o Presidente da Câmara Municipal de Grândola, António Figueira Mendes, dando-lhe a conhecer o Plano Especial de Emergência da Península de Troia.

Apresentado na reunião da Comissão Municipal de Proteção Civil (CMPC), este plano tem como principal finalidade reconhecer e nomear todos os potenciais riscos e vulnerabilidades da área da Península de Troia. Após realizar esta identificação, espera-se ainda conseguir fortalecer a pesquisa e a planificação de um dispositivo sustentável, que possa garantir a realização de todas as intervenções operacionais necessárias face a eventuais situações de emergência que possam surgir naquele local.

Face a esta realidade, António Figueira Mendes destacou a relevância deste plano diante da estratégia de desenvolvimento turístico que o município tem vindo a executar. O autarca relembrou as ações de prevenção que a Proteção Civil tem vindo a realizar no concelho, dando maior destaque à limpeza das azinhagas rurais e das estradas municipais. Neste ponto, António Figueira Mendes realentou ainda o sucesso das reparações dos caminhos rurais levadas a cabo pelo município.

Recorde-se que esta reunião contou também com a presença de Patrícia Gaspar, Comandante Operacional Distrital do Comando Distrital de Operações de Socorro de Setúbal (CODIS Setúbal) e dos vários representantes do Turismo de Portugal, que se mostraram satisfeitos face à elaboração deste Plano Especial de Emergência da Península de Troia.