O concelho do Barreiro já tem uma marca para o seu património material e imaterial. A ferrovia, a indústria, o ambiente e a memória colectiva são os principais elementos a destacar. "Barreiro Memória e Futuro" é a designação da nova marca desta cidade, o resultado da candidatura da Câmara Municipal do Barreiro (CMB) ao Programa Operacional Regional de Lisboa do Quadro de Referência Estratégico Nacional - QREN, apresentada a 2 de Junho no Espaço Memória, no Parque Industrial da Baía do Tejo.

Na ocasião, o presidente da CMB, Carlos Humberto, sublinhou que "Barreiro Memória e Futuro" é um "projecto global, único e multifacetado (…) claramente de futuro", que "sistematiza a #História do Barreiro" e que tem como desafio mostrar a cidade "de uma forma apelativa" para as gerações actuais e futuras. "Como podemos transformar em positivo o que alguns vêem como negativo", é este o desafio que o edil diz ter sido abraçado. "O que a marca pretende mostrar é o que nós somos e o que somos é uma terra de actividades produtivas e, em cada período histórico, um concelho de actividades tecnológicas das mais modernas", afirmou o autarca, destacando a importância das "questões do futuro".

"Município mais participado"

Seguindo a ideia de uma "cidade e um município mais participado", o vereador Rui Lopo, responsável pela área das Tecnologias de Informação (TI), adiantou que a candidatura vai ajudar a materializar algumas concretizações, tais como um Data Center - um novo centro de dados que ficará nos Paços do Concelho -, um Geoportal, segundo a autarquia, com "ligação ao site do município - uma aplicação para telemóveis e écrans de rua interactivos. Para o autarca, tudo terá de estar pronto e disponível até ao final de Junho e resulta de um "investimento fortíssimo apoiado nas candidaturas" e também, como ressalvou, no orçamento municipal, acrescentando que o município conta no seu orçamento com um valor de "meio milhão de euros", em três anos, para as TI.

Forte programação cultural - "Barreiro Ligth On"

Na apresentação de uma marca que representa "um caminho rico cheio de descobertas", a vereadora da Cultura da CMB, Regina Janeiro, considerou que existe um Barreiro "irresistível a espreitar por entre chaminés, carris, marés, cercos e resistência" e a marca permite "criar alicerces, abrir janelas, fazer caminhos" e "mostrar" essa cidade do Barreiro.

Baía do Tejo, Bensaúde, EMEF, Entidade Regional de #Turismo, Escola de Fuzileiros, Fidalbike, Fisipe; OUT.RA - Associação Cultural, Sovena, Transportes Lisboa Transtejo (antiga Soflusa), são os parceiros da candidatura.

Rui Pedro Dâmaso, da OUT.RA - Associação Cultural, sublinhou que "integrar a dimensão da música" neste projecto foi um "desafio aliciante" logo aceite pela associação. O responsável realçou que se procurou perceber de que forma se poderia articular a música com outras dimensões e, nesse sentido, "a Rota da Resistência poderia ser um bom ponto de partida".

Com uma forte programação cultural, a candidatura conta com várias iniciativas, entre as quais a exposição "Barreiro Memória e Futuro", que vai ser inaugurada a 25 de Junho, pelas 21h30, no Espaço Memória; um espectáculo de vídeo-mapping "Barreiro Ligth On" nos dias 26, 27 e 28 de Junho, na Av. Bento Gonçalves; o evento "Música na Rota da Resistência" a 27 de Junho, com concertos em vários locais emblemáticos do Barreiro, homenageando os nomes que marcaram esses espaços: Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Carlos Paredes, entre outros. #Inovação