A vida para Liliana Ferra nunca foi fácil. Mãe solteira, trabalhava para poder sustentar os filhos. 4 filhos que são o seu bem mais precioso. Henrique e Guilherme são gémeos e têm quatro anos, enquanto que Rodrigo tem 9 e Filipa tem 14 anos. Mas como se a dificuldade de ter de cuidar de quatro crianças sozinha não fosse suficiente, Liliana descobriu que dois dos seus filhos têm leucemia.

Com 31 anos de idade, Liliana viu o seu mundo desabar em Novembro de 2013, quando descobriu que um dos gémeos sofria de leucemia, após o diagnóstico de uma amigdalite. Com quatro anos actualmente, Henrique luta há mais de um ano contra esta doença e a verdade é que já existem certas melhorias. Como se o facto de ter um dos seus quatro filhos com uma doença grave não fosse suficeinte, Liliana descobriu em Novembro deste ano que Guilherme, o outro gémeo, também sofre de leucemia. A mãe, comovida, relembra que "Quando ele acordou com o pescoço inchado naquele dia, olhei para ele e pensei: o Guilherme tem cancro".

As duas crianças têm lutado diariamente para sobreviver. Porém, os dois outros filhos sofrem, também, com este problema e com a ausência da mãe. "Acabam por ficar abandonados. O Rodrigo diz-me que tem saudades minhas e os amigos às vezes perguntam-lhe se não tem mãe", explica a mãe Liliana que tem de deixar os dois filhos mais velhos sozinhos quando vai para o IPO acompanhar os dois gémeos no tratamento na tentativa de combater a leucemia.

Sem #Família para a apoiar, Liliana teve de deixar o seu único emprego para poder tomar conta dos filhos e para poder levá-los aos tratamentos no IPO (Instituto Português de Oncologia) de Lisboa. O único vencimento que tem são cerca de 360€ por mês - correspondentes aos abonos dos quatro filhos - e ainda a pequena ajuda que o pai dos gémeos vai dando, quando pode. A habitação social onde vivem, em Almada, tem o custo de 4,85€ por mês, acrescentando ainda a esse pagamento o valor da água, da alimentação, da electricidade, do gás e da televisão.

Após vários apelos e busca por ajudas, Liliana conseguiu ter comida suficiente para sobreviver até ao final deste ano. No entanto, se alimentação não falta às crianças, a mãe sente falta do dinheiro uma vez que já acumulou dívidas no valor de mais de dois mil euros. Liliana diz para os canais televisivos: "Não me importo que não me deem dinheiro, comida já é muito bom. Se poupar na alimentação, consigo canalizar o dinheiro para as despesas". A mãe Liliana pede a todos os que possam que a ajudem e que a apoiem neste momento de grande privação para toda a família.