Ser trabalhador independente exige que tenhamos o nosso espaço. No sofá lá de casa, no café, na biblioteca ou num espaço público, podemos desenvolver a nossa atividade profissional. Contudo, a produtividade poderá ficar comprometida face a este tipo de ambientes. Como recuperá-la? Através do Coworking.

O Coworking assume-se como uma nova tendência do padrão de trabalho e da economia actual. Um “modus operandi” diferenciador. A ideia surgiu de Brad Neuberg, que o caracteriza como “o acto de trabalhar junto.” Segundo o Facts Coworking, esta ideia permite “partilhar recursos e ferramentas de diferentes formas. Num espaço de Coworking é possível juntar profissionais talentosos das mais diversas áreas num mesmo local, o que potencia a criação de relações profissionais. Outras vantagens do coworking para o negócio passam por poupar em rendas ou investimento imobiliário (e restantes despesas de manutenção associadas), por poder receber os clientes num espaço profissional e cortar a tendência de isolamento do escritório em casa.

Nem tudo são coisas boas e é necessário escolher o espaço que vá de encontro às suas necessidades. É fácil trabalhar numa mesa com oito a dez pessoas com background académico e experiência profissional vasta. E quando o telefone toca? E quando no espaço não tem uma sala de reuniões? E as deslocações, uma vez que estes espaços se situam em grandes cidades? O portal COWORKWORLD PORTUGAL ajuda-o na procura de um espaço mediante a sua zona de interesse. Pesquise na sua cidade, consulte preços e disponibilidade.

Na cidade do Porto existe um espaço onde a privacidade impera. Chama-se Oficina Comum e partiu de dois arquitetos que após uma experiência na América Latina decidiram voltam ao Porto. Segundo o P3, a “a ideia da Oficina Comum foi criar um espaço de 'coworking', mas que não fosse muito um ambiente muito confuso ou um andar inteiro cheio de pessoas a trabalhar. Cada grupo tem a sua própria sala, podem fechar a sala à chave e trabalhar tranquilamente. Contudo, têm espaços comuns, como a sala de reuniões, a cozinha e o pátio. Têm na mesma essas mais-valias, a partilha de espaços e de despesas, mas, ao mesmo tempo, consegue criar alguma privacidade e independência em cada espaço."

O conceito está em Portugal e certamente irá permanecer, num mundo laboral onde as profissões estão em constante mutação e o trabalho independente (freelancer, remoto, entre outros) ganha terreno.