A imprensa italiana adiantou que uma freira de clausura, de origem sul-americana, deu entrada no hospital, para dar à luz um menino. A devota entrou no hospital acompanhada de outras freiras, queixando-se de fortes dores abdominais. O médico que atendeu a  freira num hospital de Macerata decidiu fazer-lhe uma ecografia; após a realização do exame, não houve margem de dúvida que a mulher estaria grávida. O médico transferiu a religiosa de imediato para a maternidade, onde pouco tempo depois a religiosa deu à luz um menino.

A freira sul-americana, habitando no convento desde junho do ano passado, decidiu ficar com a criança em vez de a dar para adoção, como outras religiosas o fizeram. Mas para que tal acontecimento fosse possível,  a recém-mãe decidiu abandonar o convento e ir pedir ajuda a um centro de acolhimento, para poder ficar com o seu filho. Aparentemente, a mulher deixará a vida religiosa.

Este já é o segundo caso de uma freira grávida na região de Macerata, em Itália. No ano de 2011, uma religiosa de quarenta e um anos, de origem africana, deu à luz uma menina no hospital de Pésaro. Nesse caso concreto, a religiosa apresentou como justificação o facto de ter sido violada por um sacerdote. Contudo, a religiosa de origem africana rejeitou a menina, e deu-a para adoção.

Até à data, o Vaticano ainda não se manifestou sobre o tema das freiras que engravidam, violando de forma flagrante os seus votos. O Papa Francisco, que se apresenta como um homem humilde e revolucionário, ainda não falou sobre estes acontecimentos, mas no entanto já referiu em alguns discursos seus o tema de abusos sexuais por parte de sacerdotes.  Estes acontecimentos estão a manchar cada vez mais a imagem da Igreja Católica, contribuindo para a perda da fé por alguns crentes. Pois sabe-se a falta de modernização, a multiplicação de escândalos sexuais envolvendo responsáveis religiosos, entre outros, estão a contribuir para o seu descrédito. Assim, o coração da Igreja parará de bater e a #Religião passará a ser apenas um museu.