Um grupo de mulheres sul-africanas da Cidade do Cabo, na África do Sul, criou uma mochila inovadora para crianças, feita a partir de plástico reciclado e que vem equipada com um pequeno painel solar e material refletor. A mentora deste projeto é uma jovem empresária de 21 anos, Thato Kgatlhanye que, em conjunto com outras jovens sul-africanas, elevaram a fasquia da #Inovação local ao criarem mochilas escolares com uma dupla função de visibilidade e sustentabilidade. Com o nome de "Repurpose Schoolbags", estas mochilas são feitas a partir da reciclagem de sacos de plástico resistentes, como forma de combate à poluição que este material provoca e são equipadas com uma pequena placa solar que carrega durante o dia e emite luz durante 12 horas. Deste modo, as crianças têm, assim, a possibilidade de estudar, mesmo que não tenham acesso a luz elétrica. O objeto incorpora também material refletor, de forma a tornar a criança visível na estrada e é à prova de água.

Trata-se de um revolucionário projeto na área educativa que surgiu quando um grupo de jovens sul-africanas se interrogou se poderia melhorar a experiência da ida para a escola de crianças que vivem em zonas rurais e, a ser viável, que aspeto poderiam ter. De facto e, segundo o site da empresa Repurpose, só na África do Sul, morrem diariamente três crianças vítimas de atropelamento. Assim, para as detentoras do projeto, o objetivo primordial era a criação de uma mochila que fosse vantajosa para as milhares de crianças que todos os dias têm de lutar contra a escuridão das primeiras horas do dia, quando vão para a escola. Para além da sua utilidade, a "Repurpose Schoolbags" apresenta uma imagem e design bastante modernos e criativos, com modelos sugestivos e cores garridas visto serem destinadas às crianças.

A empresa é dirigida por Thato Kgatlhanye numa fábrica em Rustenburg, na Cidade do Cabo, onde emprega oito mulheres e tem tido já um efetivo impacto na vida de mais de 120 crianças, para além de contribuir para importantes avanços na redução da pegada do carbono através da reciclagem de mais de 10.000 sacos de plástico. Para fazer chegar as mochilas às escolas que destas necessitam, os membros da Repurpose fazem uma seleção das escolas públicas que apresentam lacunas de serviços básicos e onde existam crianças que moram em locais muito distantes. Numa segunda fase, recorrem a parcerias com particulares ou organizações que são convidadas a fazer doações e, quando as mochilas estão prontas, as próprias criadoras organizam um evento nas escolas escolhidas no qual as mochilas são entregues aos alunos eleitos.

As "Repurpose Schoolbags" têm tido de tal forma impacto na melhoria das condições de vida das pessoas e, principalmente, das crianças, que Thato Kgatlhanye conquistou o segundo lugar para o Prémio Anzisha, uma competição que reconhece o trabalho de jovens sul-africanos que dinamizaram negócios inovadores e a criação de oportunidades de emprego sustentáveis. #Educação