O ano de 2015 assume uma importância especial no que diz respeito à questão do Desenvolvimento, visto ser o primeiro Ano Europeu consagrado à ação externa da União Europeia e ao papel da Europa no mundo. De facto, trata-se de uma oportunidade única para que as organizações de desenvolvimento de toda a Europa revelem o seu empenho na erradicação da pobreza à escala mundial e a sua motivação para incentivar a uma maior participação dos cidadãos europeus no desenvolvimento.

É também em 2015 que está previsto alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio acordados em 2000 pela Organização das Nações Unidas, pelo que as políticas de desenvolvimento europeias e o seu papel enquanto um dos principais agentes mundiais na luta contra a pobreza ganham uma importância decisiva. Portugal não fica atrás nesta iniciativa e a atriz e apresentadora Cláudia Semedo foi a figura pública escolhida para embaixatriz do nosso país em coordenação com o Camões - Instituto da Cooperação e a Língua.

Em Portugal, o objetivo escolhido para o Ano Europeu para o Desenvolvimento foi o de "promover o interesse, a participação e o pensamento crítico dos cidadãos portugueses sobre o Desenvolvimento Global". De facto, para Ana Paula Laborinho, presidente do Camões I.P, o desenvolvimento não pode continuar a ser entendido numa visão redutora de ricos versus pobres, devendo, antes, haver um esforço de envolvimento por parte de todos os cidadãos na ajuda aos países mais necessitados.

A iniciativa vai ter o seu início oficial no dia 14 de fevereiro com uma cerimónia de abertura e um espetáculo que irão ter lugar no Teatro Rivoli, no Porto, e cada mês irá focar-se numa temática relacionada com os objetivos do milénio ratificados pela ONU. Assim, será lançada em abril uma exposição itinerante onde serão abordados temas como a #Educação, as mulheres, a saúde, a questão da migração e os direitos humanos e está também prevista a organização de uma conferência internacional sobre os desafios do desenvolvimento em colaboração com a Fundação Calouste Gulbenkian. Instituições como a Plataforma Portuguesa das ONGD, a direção-geral da Educação ou a Rede Intermunicipal de Cooperação para o Desenvolvimento são outros dos parceiros que irão estar envolvidos nesta iniciativa.

Os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) contemplam temas como a erradicação da pobreza, fome, analfabetismo e igualdade de género, temas estes considerados elementos essenciais do conceito de desenvolvimento humano sustentável e que podem conduzir à melhoria das condições de vida da Humanidade. #Personalidades