Para muitos, um dia para dedicar à pessoa amada. Para outros uma data marcada pelo consumismo sem verdadeiro significado. O dia de São Valentim assinala-se em vários pontos do globo e está tradicionalmente associado ao amor romântico. Mas a forma de o expressar varia de país para país.

Na Europa, perderam-se várias tradições para dar lugar à típica troca de presentes ou jantar à luz das velas. Na Itália, por exemplo, esta data costumava marcar o Festival da Primavera durante o qual casais de namorados se encontravam em jardins para ouvir música ou ler poemas, e no século XVIII, em Inglaterra, as mulheres esperavam ver os seus futuros maridos em sonhos se colocassem cinco folhas de louro no canto e centro da almofada na véspera do dia de São Valentim.

Receber uma colher de madeira como presente é normal no País de Gales. Hoje em dia podem ser compradas, mas tradicionalmente estas colheres com símbolos gravados eram feitas à mão pelos homens. Em algumas regiões na zona leste do país, muitas famílias ainda mantêm uma tradição do folclore nacional. As crianças recebem doces ou pequenos presentes deixados à porta de casa por uma espécie de Pai Natal chamado "Jack Valentine".

Na Catalunha, o gesto de dar presentes à pessoa amada é guardado para o dia de São Jorge, 23 de Abril, data em que as mulheres oferecem livros e recebem rosas, e na China a data dedicada ao amor, escolhida por centenas de pessoas para casar, é o sétimo dia do sétimo mês do calendário lunar chinês, conhecido como Festival Qixi. Na África do Sul é tradição para as mulheres escrever o nome do homem amado e usá-lo nas mangas no dia 14 de Fevereiro, tal como os antigos romanos faziam nas Festas Lupercais. É uma boa forma de descobrir admiradoras secretas.

Um dia para apaixonados e não só

No Japão, as mulheres podem oferecer presentes a namorados mas também a familiares, amigos e colegas de trabalho do sexo masculino no dia 14 de Fevereiro, tipicamente diferentes tipos de chocolate conforme a relação, enquanto no dia 14 de Março, "o dia branco" é a vez de os homens retribuírem. A tradição é semelhante na Coreia do Sul com uma exceção: aqueles que não receberam presentes podem celebrar ou lamentar a vida de solteiro no dia 14 de Abril, o "dia negro", juntando-se em restaurantes para comer um prato de massa típico com molho de feijão preto.

Na Estónia e Finlândia, o dia 14 de Fevereiro é dedicados aos amigos. Uma tradição semelhante no México e na Guatemala, que prefere celebrar o "Día del Cariño" e trocar flores e cartões com familiares e amigos.