Na localidade de Fernão Ferro, no Seixal, um homem foi detido pela Polícia Judiciária por, alegadamente, ter regado a namorada com gasolina, e posteriormente, ter acendido o isqueiro de bolso para lhe atear o fogo. O suspeito, Rui, de 28 anos, chegava com a namorada, Mafalda, de 26 anos, a casa, já de madrugada, após uma noite de diversão. O casal, por ciúme do suspeito, terá discutido antes do jovem ter cometido este #Crime. A vítima, após ser socorrida pelos Bombeiros, foi transportada para o Hospital Garcia da Horta, em Almada, mas teve ser transferida, de helicóptero, para o Hospital da Prelada, no Porto, para a Unidade de Queimados.

A jovem encontra-se livre de perigo de vida, mas segundo alguns relatos, as queimaduras terão tido maior incidência no rosto. O suspeito está detido pela Polícia Judiciária de Setúbal, e este é mais um caso que vem engrossar estatísticas de violência doméstica, em Portugal.

Este jovem casal vivia na casa da mãe de Rui, e nenhum dos dois trabalhava. "Faziam uns biscates, quando apareciam", admitiu a mãe do principal suspeito, em declarações à TVI. Mafalda tem duas filhas, com oito e sete anos, de uma anterior relação, mas as duas meninas não estavam em casa, uma vez que vivem com o pai.

Em declarações à TVI, a mãe de Rui admitiu que o filho se torna muito violento quando consome álcool e que também é muito ciumento. E poderão ter sido estes os motes para a violenta discussão, com este desfecho trágico. "Por volta das 5h30 da manhã, eu ouvi gritos, eu percebi que eles estavam a discutir, mas eu estava na minha cama. Depois, ela entrou no meu quarto a pedir socorro e pediu-me para eu ligar para os Bombeiros, mas eu não tinha saldo e foi ela que ligou", revelou a mulher, que se encontra numa cadeira de rodas, o que, provavelmente, terá prejudicado o auxílio à vítima.

Além de viver com a mãe, na mesma casa também vive um irmão de Rui, que não estava em casa, na hora do incidente. "Estava na casa da namorada", disse a mãe. Este irmão será, de acordo com os vizinhos, o único "sustento" daquela casa.

A mãe do suspeito admitiu não saber se foi o filho o autor do crime de violência doméstica: "Eu ouvi-os a discutir, mas eu não vi nada. Não sei se foi ele". Mas, confessou o consumo excessivo de álcool do filho que "às vezes bebe demais, quando tem dinheiro". Este excesso torna-o "muito violento", e ciumento também: "Tem muitos ciúmes dela, sempre que ela fala com outros homens".