Expresso, cheio ou curto, carioca ou "sem princípio"; são raros os portugueses que não incluem o café no seu dia a dia. Chega aos 80% a percentagem de portugueses que consome café diariamente. Mesmo assim, somos dos países europeus mais contidos neste consumo, rondando os 4,7 kg por pessoa/ano, o que significa 2,2 chávenas por dia. Portanto, abaixo da média europeia de 6 kg por pessoa/ano e muito distanciado da Finlândia e da Holanda, onde estes números já ascendem aos cerca de 13 kg de café por pessoa/ano.

Uma bica ou um cimbalino: em Lisboa ou no Porto o nome muda, mas o hábito é o mesmo por tradição. A designação de bica, fica aqui a curiosidade, significa "beber isto com açúcar". Não foi mais do que uma campanha de marketing, uma vez que, de início, o café não foi bem recebido pelos lisboetas e "A Brasileira" reagiu. Já o cimbalino é inspirado na famosa marca de máquinas de café "La Cimbali".

A importância da dose certa

A sua ingestão tem inúmeras vantagens, que passam por um elevado poder antioxidante, combatendo os radicais livres e ajudando na prevenção de doenças cardiovasculares, sendo um agente ativo no aumento da oxigenação do sangue, da concentração e produtividade. Claro que tudo isto é válido quando estamos a ter em conta as doses certas. Consumido em excesso, o café é responsável pelo aumento da irritabilidade, ansiedade, dores de cabeça e insónias, havendo, num nível limite, a hipótese de morte. Segundo vários estudos, a dose letal para o homem é, em média, de três mil gramas por dia, que é o mesmo que dizer 75 expressos.

Organização Internacional do Café

Depois da água, segue-se o café como a bebida mais ingerida em todo o mundo. No contexto de uma importância fundamental na sociedade e economia atuais, a Organização Internacional do Café (OIC), já com 77 países membros, foi criada com o apoio da Organização das Nações Unidas. Servindo a comunidade cafeeira internacional, assegura, acima de tudo, a qualidade dos grãos nos países produtores, o incentivo à expansão sustentável e ao comércio internacional, bem como o acesso a informações relevantes no âmbito da produção e negócio.

Quer em propostas clássicas ou de gourmet, quer em máquinas de elite ou nas simples cafeteiras de saco, espécie arábica ou robusta… Facto irrecusável é que, na pastelaria ou em casa, o café está, cada vez mais, próximo do consumidor, numa ampla variedade de escolha. #Curiosidades