O site de classificados de emprego CareerCast fez, mais uma vez, uma lista das piores profissões de 2015. Todos temos maus dias no trabalho. As coisas não correm como devem, o colega de trabalho implica incessantemente, o computador não colabora com nada. Mas há empregos que exigem tudo, e todos os dias. Já pensou qual é a pior profissão que uma pessoa pode ter? O senso comum leva-nos a pensar em profissões arriscadas, como militar ou bombeiro. E de facto, estas constam na lista:

1) Jornalista de imprensa; 2) Lenhador; 3) Militar no activo; 4) Cozinheiro; 5) Locutor de rádio ou televisão; 6) Fotojornalista; 7) Corretor financeiro; 8) Taxista; 9) Bombeiro; 10) Carteiro. O ranking é organizado conforme o salário, a visão relativa ao mesmo, factores ambientais, stress psicológico e exigência física. É certo que o jornalismo mostra o seu "quê" de perigo quando vemos notícias de repórteres em ambiente de guerra. É também conhecido que é uma profissão competitiva, e está cada vez mais colocada em debate.

A emergência da Internet representou um papel fulcral na extensão progressiva da existência de informação. E é também neste contexto que surge o "jornalista-cidadão", que desenvolve e participa no processo de criação noticiosa, sem qualquer formação jornalística. Neste contexto de mudança e inovação, os jornalistas devem ter presente os seus valores e ética profissional, pois são os únicos com a formação necessária para assegurar a qualidade e credibilidade da produção noticiosa. Num mundo em que cada vez mais se coloca em causa o papel do jornalista, chega esta lista que o coloca no topo das piores profissões do ano. Também em sexto aparece a profissão de fotojornalista.

O site também avaliou os melhores empregos de 2015: 1) Atuários; 2) Audiologista; 3) Matemático; 4) Estatístico; 5) Engenheiro biomédico; 6) Cientista de dados; 7) Higienista dental; 8) Engenheiro de Software; 9) Terapeuta ocupacional; 10) Analista de sistemas de computadores. Se estava a pensar em mudar o rumo da sua carreira, se calhar a decisão certa é enveredar pelos caminhos financeiros, estatísticos e matemáticos.