Caso de bullying na Figueira da Foz foi filmado há um ano e pode chegar ao Ministério Público. A situação chegou ao domínio público depois de um dos jovens, presente na "sessão de socos e estalos", ter publicado esta terça-feira, 12 de maio, no facebook o vídeo onde mostra duas raparigas a desferir dezenas de alegadas agressões a um rapaz de 17 anos. A situação ocorre na Figueira da Foz, na zona do Bairro Novo, e a Polícia de Segurança Pública (PSP) investiga.

A revolta nas redes sociais é enorme, com mais de um milhão de visualizações e centenas de partilhas. As duas jovens, que entretanto desativaram as páginas pessoais sociais, desferem estalos e socos, de forma seguida, a Jorge Oliveira durante 13 longos minutos. No grupo estão presentes mais jovens e é percétivel os tons de ameaça acompanhados com gozo e risos. A dada altura há um rapaz que prende os braços de Jorge Oliveira, que até então não reagia. A vítima tenta sair da situação, mas as agressões continuam com este encurralado numa parede. Por vezes as agressões são interrompidas pelo aproximar de pessoas externas ao grupo.

No início várias pessoas denunciaram o caso às escolas Joaquim Carvalho e Bernardino Machado, pois julgavam ser um caso no interior de uma das destas escolas. No entanto, ambas já confirmaram que a situação, e apesar de ser com estudantes destes estabelecimentos de ensino, ocorre fora das escolas.

O caso de alegado bullying já motivou uma onda de solidariedade com a criação de uma página no facebook "Todos Pelo Jorge Oliveira" e que já caminha para os mais de cinco mil "gostos". Os insultos aos agressores e pedidos de justiça são generalizados e a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CCPJ) da Figueira da Foz já está acompanhar o caso. "Não tínhamos conhecimento, mas estamos a averiguar. Só depois da divulgação do vídeo é que começamos a receber participações", disse fonte da CPCJ da Figueira da Foz.

Contactada pelo Blasting News, a PSP da Figueira da Foz diz que não recebeu qualquer queixa relativa ao caso, mas que admite investigar.
#Violência