Foi quando se deram os atentados terroristas em Paris que a imaginação de Léa Prisca Lopez concebeu a ideia de um jornal com notícias dedicadas e pensadas para pessoas mais novas. Sentiu dificuldades em explicar o horror sucedido na capital francesa à sua filha e pesquisou conteúdos de atualidade infantil ou juvenil. A designer gráfica apercebeu-se, então, desta lacuna nos media e na sociedade portuguesa. Decidiu, pois deitar mãos à obra. E criou um jornal, o primeiro semanário para crianças dos 8 aos 14 anos, que chega em Novembro, para "promover a leitura e a escrita, desenvolver o sentido crítico e apoiar os professores e as escolas no reforço do sentido de cidadania". Ao mesmo tempo, "aproxima pais e filhos através de questões reais".

Os primeiros passos do projeto foram dados em Escolas Básicas e Centro de Atividades de Tempos Livres (CATL) de Águeda. Bem no meio do público-alvo. Segundo a criadora do projeto, Léa Lopez, as crianças "estavam muito curiosas por haver alguém interessado em saber as suas opiniões". Quando aprofundou a conversa sobre notícias, num dos CATL, apercebeu-se que nas crianças existiam "angústias, incompreensões e frustrações por não poderem falar com os pais e os avós, partilharem as suas opiniões" sobre o mundo, sobre "todas as culturas que nele existem e todas as suas questões". 

Sediado na Incubadora de Empresas de Águeda, o JORNALIX pretende tornar-se uma marca nacional e por isso abriu uma campanha de financiamento coletivo que pode ser na plataforma Massivemov. Léa Lopez argumenta que quando há uma contribuição "não se tratam de donativos, mas sim de um pré-compra do jornal". Quem quiser participar, pode fazê-lo a partir de 8€ e dessa forma recebe os primeiros quatro exemplares do semanário. Existem também possibilidades de pré-compra de espaços publicitários. 

O JORNALIX será um jornal, fisicamente impresso, que verá a luz do dia uma vez por semana. A redação é composta por designers, jornalistas, psicólogos, educadores e artistas, ligados às crianças. Além do formato em papel, existirão suportes virtuais, como uma plataforma web e uma aplicação móvel.  

Em jeito de apelo, Léa Lopez assegura que "são apenas precisas 670 pré-compras dos primeiros quatro JORNALIX para atingir o objetivo do crowdfunding. Foram gravados e difundidos spots publicitários, como o que acompanha este artigo. Confrontada com os números mundiais pouco otimistas dos jornais em papel (onde existe uma queda na ordem dos 25% no consumo), Léa Lopez assegura que o JORNALIX será uma "ferramenta imprescindível para pais e educadores", defendendo que "crianças informadas se tornarão adultos responsáveis".  #Educação