"Pronto para a jihad.", podia ler-se na descrição da foto de perfil da página de #Facebook de Floriano da Silva, encoberto por uma jelabaenquanto segurava armas na mão. Este emigrante português de 46 anos, residente na comuna de Bourges, em França, foi esta segunda-feira ouvido no Tribunal de Trabalho de Bourges, onde contestou o seu despedimento, baseado nessa publicação na rede social Facebook.

O queixoso iniciou um diferendo contra a antiga entidade patronal, por ter sido demitido das suas funções de educador, no Centro UGECAM, uma instituição que acolhe jovens com distúrbios de comportamento e de conduta, isto depois de ter publicado algumas fotos no Facebook onde aparece disfarçado com uma jelaba magrebina, e com armas na mão, em conjunto com o texto em português "Pronto para a jihad". O emigrante português explicou em tribunal que tudo não passou de uma piada, depois de uma noite de álcool, alegando que a instituição onde trabalhava não o poderia despedir por algo que se passa na sua vida pessoal.

O director da UGECAM, Philippe Debroye, terá argumentado na altura do despedimento que tanto a foto de perfil, que mostra um homem encapuçado, com uma inscrição árabe no peito, disparando duas armas automáticas, como a foto de perfil, também apologista de terrorismo, são incompatíveis com a função de um educador, e que essa mesma função está também visível na mencionada página pessoal nas redes sociais. "É uma apologia ao terrorismo, banalizando-o", terá dito Philippe Debroye ao jornal regional Le Berry. Já o advogado de Floriano da Silva, explicou ao juiz que tudo não passou de uma "piada de mau gosto", dizendo que a jelaba é apenas uma recordação que o português trouxe de uma viagem a países árabes, e que a inscrição em português "Pronto para a jihad", é "obviamente, na palhaçada", e que não se pode considerar que o humor seja um meio para a apologia de um #Crime.

O caso ficará em análise por parte dos conselheiros do Tribunal de Trabalho de Bourges, e a decisão final será divulgada a 30 de novembro. Até lá, espera-se que a página pessoal de Floriano da Silva se mantenha sem grande actividade. #Emigração