Os dados são muito preocupantes. A Revista Além Mar revela que metade dos alimentos não são aproveitados pelas pessoas, sendo que 1/3 não é aproveitado durante as fases de venda e de produção. Nos países desenvolvidos os alimentos deitados para o lixo atingem anualmente os 1,3 mil milhões de toneladas. Estes números atingem dimensões mais assombrosas quando se pensa que... chegavam para alimentar os 850 mil milhões de pessoas que nada têm para comer em todo o mundo. Na Europa, Holanda, Estónia e Chipre são os mais descuidados.

De acordo com a revista, "este desaproveitamento tem consequências não apenas éticas, mas também ambientais, já que envolve o gasto desnecessário de recursos na produção e a emissão de dióxido de carbono e metano resultante da decomposição dos alimentos não consumidos".

A União Europeia quer inverter os resultados e para isso já traçou como objetivo diminuir em 50 %, até 2020, o esbanjamento alimentar. Em França já existe uma medida que impede os grandes espaços comerciais de ignorarem todos os alimentos que tenham defeito ou que já tenham ultrapassado o prazo. Os supermercados que ultrapassem os 400 metros quadrados vão entregar as sobras a instituições solidárias; no caso dos restaurantes bem-sucedidos, devem dar gratuitamente caixas para armazenar os excedentes dos manjares.

Em Portugal

360 mil portugueses vivem o drama diário da fome. No entanto, estima-se que sejam desperdiçados anualmente um milhão de toneladas (diariamente são 50 mil nas mesas dos portugueses ). Deste valor, de acordo com os dados da PERDA (Projeto de Estudo e Reflexão sobre o Desperdício Alimentar), 17% da comida é deitada fora ainda antes de chegar ao cliente. Já nas casas dos portugueses, são 324 mil toneladas. 

Por iniciativa da Assembleia da República, 2016 é considerado como o Ano Nacional do Combate ao Desperdício Alimentar. Tem como intenção fomentar 3 valores: Reduzir, Reciclar e Reutilizar. Para além dos consumidores, os 3 Rs devem ser respeitados na produção, na indústria alimentar e na distribuição.  

De forma a tentar cumprir os princípios definidos, a OIKOS  já lançou o programa "Cidadania Activa".

Existem ainda outros programas como a Re-Food, Movimento Desperdício e Movimento 2020. Este último é uma iniciativa da Associação Portuguesa de Dietistas. #Alimentação #Causas