As autoridades francesas estão a investigar a morte de um bebé português que estava a viver com o tio e a companheira deste em França. A criança tinha sido entregue a uma instituição portuguesa para adopção, pela mãe. No entanto, o irmão da mulher resgatou o bebé da instituição, levando-o consigo para França. A criança morreu no sábado, 2 de Abril, depois de ter dado entrada num hospital com vários hematomas. A companheira do tio, uma jovem de 24 anos, natural de Paços de Ferreira, está acusada de homicídio voluntário de menor.

Aquele trágico acontecimento está a levantar um conjunto de dúvidas à polícia francesa. Nomeadamente quanto às possíveis causas da morte do pequeno Leonardo, sobretudo sobre a razão pela qual chegou ao hospital apresentando vários hematomas. A polícia quer apurar se não terá havido um comportamento negligente, ou até agressivo, por parte do jovem casal com quem o bebé estava a viver, que tivesse provocado a morte da criança. Sabe-se que o bebé deu entrada num hospital de Toulouse em paragem cardiorrespiratória sem ter sido possível reverter a situação. No entanto, as suspeitas recaem sobre os hematomas que apresentava no corpo. Uma situação que só a autópsia poderá ajudar a esclarecer.

Entretanto, fonte da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas disse à agência Lusa que o pequeno Leonardo tinha sido entregue pela mãe a uma instituição, para adopção. Contudo, o irmão dela terá ido buscar a criança, levando-a para França para viver consigo e com a sua companheira, uma jovem de 24 anos, em Hers, próximo de Toulouse. A mesma fonte da Secretaria de Estado garante que o caso está a ser seguido pelo Governo português.

Após a morte da criança, o jovem casal português foi presente a um juiz, tendo a mulher ficado detida, acusada de homicídio voluntário de menor, enquanto o companheiro, tio do bebé, saiu em liberdade, mas sujeito a algumas medidas de coacção e de controlo por parte das autoridades. A justiça francesa está a prosseguir com as respectivas investigações no sentido de perceber o que terá causado, efectivamente, a morte da criança. #Crime