Após 17 dias de desespero, sem saber do paradeiro de Volodymyr Lavriv, de 25 anos, a família acabou por saber que o jovem estava internado numa clínica em Londres. Mas só conseguiu localizar o rapaz, estudante finalista de medicina em Lisboa, quando o padrasto viajou para o país para o tentar encontrar. Desde que perdeu o contacto com o filho, a mãe Galyna Lavriv recorreu à sua página do Facebook para tentar encontrar o paradeiro do filho, com dupla nacionalidade (ucraniana e portuguesa). As autoridades tinham sido alertadas para um alegado #Desaparecimento mas não davam notícias.

Foi preciso Antone Georgica viajar de França para o Reino Unido para saber que o enteado, Volodymyr Lavriv, afinal estava internado numa unidade de saúde psiquiátrica em Essex. O alegado desaparecimento do jovem de 25 anos, que só lhe falta realizar o exame final para ingressar na especialidade da área da cirurgia, foi desvendado esta quinta-feira, 20 de Outubro. Ou seja, 17 dias depois de a mãe ter deixado de falar com ele. Agora, também a mãe viajou para a Inglaterra para se encontrar com o filho.

“Olá todos amigos. Obrigada. Por tudo. O meu filho está bem. Beijinhos . Muito obrigada”, foi a mensagem que Galyna Lavriv publicou, ao início da noite, na sua página do Facebook. Na mesma onde nos últimos dias tem feito imensos apelos no sentido de obter uma informação sobre o paradeiro do rapaz que desde o dia 4 não a contactava. O único rasto que a mulher conseguiu encontrar foram alguns movimentos na conta bancária do rapaz, efectuados em Londres, como pagamentos de alojamentos, restaurantes, e pouco mais.

Segundo informou o padrasto do jovem, Volodymyr Lavriv envolveu-se numa briga no Aeroporto de Luton, precisamente quando se preparava para regressar a Portugal. Uma ocorrência que fez com que fosse detido pela Polícia. No entanto, ainda sem se saber pormenores, o rapaz acabou por ser internado numa unidade de saúde, onde terá dado entrada sem qualquer documento de identificação, apesar de os ter consigo no momento da detenção.

Considerado como uma pessoa muito reservada, Volodymyr Lavriv viajou para Londres no dia 1 de Outubro, sem dar grandes explicações à família, sobretudo à mãe, com quem terá falado já quando estava no aeroporto para efectuar a viagem. No dia seguinte, falou com a irmã pelo telefone, também estudante de medicina em Lisboa, tendo-lhe dito que estaria numa “guerra espiritual”. Uma afirmação que revelava que o rapaz poderia não estar psicologicamente bem.

Volodymyr e a irmã Daryna vieram com a mãe Galyna para Portugal com tenra idade, tendo fixado residência na região de Porto de Mós, distrito de Leiria. Os jovens ucranianos, que acabariam por adquirir nacionalidade portuguesa, depressa se adaptaram ao país que os acolheu e em pouco tempo foram apontados como uns génios nos estudos. Vicissitudes da vida, fizeram com que Galyna deixasse de dar aulas de dança na zona de Leiria e tivesse emigrado para França. Os jovens ficaram em Lisboa a estudar, ambos medicina. Volodymyr era visto como um estudante aplicado, tendo concluído o mestrado. Falta-lhe agora um exame final para obter a especialidade, como é o seu desejo. #Causas