Desde o início do ano já morreram três emigrantes portugueses vítimas de acidentes de trabalho em obras no Luxemburgo. Na passada quinta-feira, 10 de Novembro, Mauro Santos perdeu a vida na sequência da queda de uma placa de betão nas obras de construção de um centro comercial, com vários pisos. Um outro emigrante português ficou ferido no mesmo #Acidente. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já lamentou a morte do emigrante de 32 anos, pai de dois filhos menores, natural de Mira, no concelho de Cantanhede (Coimbra).

O trágico acidente ocorreu em Gasparich, nas obras de construção de um grande centro comercial do grupo Auchan.

Publicidade
Publicidade

Apesar de se desconhecer as causas do acidente de trabalho, sabe-se que uma placa de betão de um dos vários pisos da construção ruiu atingindo vários operários. Tudo aconteceu a meio da manhã da passada quinta-feira, 10 de Novembro. Mauro Santos, um português natural de Mira, concelho de Cantanhede (Coimbra) foi a única vítima mortal. O homem, operário da empresa de construção civil CBL, SA, com sede no Luxemburgo, tinha 32 anos e estava registado no Consulado de Portugal naquele país desde 2009. Era casado e deixa órfãos dois filhos menores de cinco anos de idade.

Por sua vez, um outro operário igualmente português ficou gravemente ferido, tendo ficado com os membros inferiores soterrados pela placa de betão. Numa nota publicada no site da Presidência na Internet, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, expressou a sua “solidariedade “ às famílias das duas vítimas portuguesas, naquela “hora de angústia”, referindo, ainda, que estava a acompanhar a evolução clínica do ferido, que se encontra hospitalizado numa unidade de saúde luxemburguesa.

Publicidade

Assim como o cônsul-geral de Portugal no Luxemburgo. Também o ministro do governo luxemburguês, que tutela a pasta do “Trabalho”, Nicolas Schmit, acompanhou o acidente e enviou, igualmente as condolências aos familiares de Mauro Santos, desejando uma rápida recuperação do estado de saúde dos trabalhadores feridos. Nicolas Schmit aproveitou para, através de comunicado, defender uma maior fiscalização aos aspectos de segurança em obras de construção civil. #Óbito #Emigração