O agente da polícia grã-ducal do Luxemburgo que recebeu o #prémio de cidadão do ano naquele país, atribuído pelo Parlamento Europeu, é #lusodescendente. Davide Sousa, de 41 anos, é filho de emigrantes portugueses, naturais de Bustelo, no concelho de Chaves, onde o avô foi guarda fiscal. O prémio, proposto pelo eurodeputado luxemburguês Claude Turmes, visa distinguir o agente policial pela contribuição prestada no combate à fraude social e também pelo serviço prestado no âmbito de missões europeias em alguns países.

Filho de pais portugueses, Davide Sousa nasceu em Differdange, no Luxemburgo. Quando ingressou na carreira militar, teve de abdicar da nacionalidade portuguesa e naturalizar-se luxemburguês, até porque a lei ainda não lhe permitia obter dupla nacionalidade.

Publicidade
Publicidade

No entanto, considera que tem uma “paixão por Portugal”, para onde viaja todos os anos para passar as suas férias. Davide Sousa sente-se luxemburguês e português. Recorda que fez os seus estudos numa escola portuguesa, uma situação que o beneficia quando participa em missões europeias, já que pode comunicar com colegas portugueses sem dificuldade. Contudo, lamenta que na polícia luxemburguesa falte "quem fale português", referindo que, tendo em conta a grande comunidade portuguesa radicada naquele país, é a ele que recorrem quando necessitam de ajuda na esquadra policial. "Com as vítimas posso usar o português e ajudar a pessoa", afirma.

O prémio que lhe foi agora atribuído visa, essencialmente, distingui-lo pelo contributo que prestou numa acção de combate à fraude social de dimensões europeias.

Publicidade

A investigação focou-se em pessoas que, embora residam noutros estados-membros, recorriam a moradas fictícias luxemburguesas para obter apoios sociais no país. As diligências realizadas por Davide Sousa permitiram ao estado luxemburguês recuperar elevados valores que tinham sido atribuídos indevidamente a beneficiários. Para aquela investigação, o agente policial reconhece que contribuiu muito o facto de ter participado em missões europeias em vários países, como Bósnia, Geórgia e Itália.

De referir que o prémio de cidadão europeu do ano é um galardão que é atribuído, anualmente pelo Parlamento Europeu desde 2008. Tem como objectivo recompensar acções excepcionais levadas a efeito por organizações, grupos ou cidadãos particulares que promovam, com as suas acções e desempenho, os princípios estipulados na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia. #português distinguido no Luxemburgo