Um jovem português de 21 anos está desaparecido desde a madrugada do passado dia 13 de Novembro, após ter caído nas águas do mar Báltico. Diogo Penalva, estudante de Finanças e Contabilidade no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, estava em Erasmus (um programa que pretende encorajar e apoiar a mobilidade académica de estudantes do ensino superior nos países do Espaço Económico Europeu) na "Tallinn University of Technology", na Estónia, uma universidade para engenharia, negócios e administração pública. O jovem terá caído de uma altura de cerca de 30 metros, tendo sido efectuadas buscas com helicópteros e barcos de guarda costeira para o encontrar, mas sem sucesso.

Publicidade
Publicidade

Segundo noticia o jornal Expressen, o jovem terá saltado para o mar a partir do décimo segundo convés, de uma altura de cerca de 30 metros, do cruzeiro "Silja Serenade", em território finlandês, uma embarcação que faz a ligação entre Helsínquia, capital da Finlândia, e Estocolmo, capital da Suécia. O alerta foi dado cerca das duas horas da madrugada de segunda-feira, 13 de Novembro, tendo sido efectuada, de imediato, uma operação de busca, com helicópteros e barcos, coordenada pelas autoridades da Finlândia, e que contou também com a participação de meios da Suécia. O alerta estendeu-se igualmente a três outros navios de passageiros que se encontravam na mesma zona. Contudo, três horas depois e sem que tenha sido encontrado o jovem, as autoridades suspenderam as operações de busca.

Publicidade

Entretanto, os colegas do jovem estudante lançaram um apelo através das redes sociais no sentido de obterem qualquer informação que ajude a esclarecer as causas que levaram à queda do estudante para fora da embarcação.

O mesmo jornal adiantou que a queda de Diogo Penalva nas águas do mar Báltico terá ocorrido depois daquele ter saído da discoteca do cruzeiro, que devido ao sucedido registou um atraso de cerca de duas horas no seu percurso até Estocolmo. Entretanto, o #Desaparecimento do jovem estudante do ISCTE Business School, em Lisboa, já foi confirmado à imprensa portuguesa pela secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas. O caso estará a ser acompanhado pelo pai do jovem, que estará a receber apoio por parte das instituições diplomáticas portuguesas em Helsínquia, em articulação com as autoridades finlandesas, que têm a seu cargo o respectivo processo de investigação. Também os organismos diplomáticos nacionais em Tailin (Estónia) e em Estocolmo (Suécia) estão a acompanhar toda a situação. #Afogamento