A palavra LED significa "ligth-emitting diode", traduzido para português, díodo emissor de luz. Ou seja, um dispositivo que utiliza materiais semicondutores para converter eletricidade diretamente em luz, mais concretamente, diretamente em fotão. Usualmente era necessário um filamento ou gás para se conseguir emitir luz, gerando também calor.

Uma lâmpada LED converte energia elétrica em luz, assim como qualquer outra lâmpada, mas com a particularidade de esta consumir muito menos energia para emitir luz, comparativamente a qualquer lâmpada convencional, além da sua durabilidade ser dezenas de vezes superior às lâmpadas convencionais mais económicas.

Publicidade
Publicidade

Esta tecnologia de muito baixo consumo é ideal para levar a luz para qualquer lado, mesmo para regiões mais desfavorecidas, com sistemas de energia renováveis baratos e práticos. Além disto, podemos encontrá-la por todo o lado, desde os faróis dos carros, semáforos, televisão, candeeiros, iluminação das ruas, ou seja, qualquer objecto de iluminação ou sinalização. Por fim, é bastante usado na área das comunicações, havendo muito interesse e investigação nesta tecnologia no que diz respeito à transmissão de informação, como por exemplo termos a nossa iluminação de casa a transmitir também internet wireless e fibra óptica.

Para uma melhor noção, estas lâmpadas LED conseguem até 100.000 horas de duração, enquanto que as lâmpadas fluorescentes conseguem 10.000 horas e as incandescentes 1.000 horas.

Publicidade

Em 1990, quando três japoneses, Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura, descobriram o díodo de emissor de luz azul, já haviam os emissores vermelho e verde. A diferença é que com os LED de emissor azul, a luz branca pôde ser gerada de uma nova maneira totalmente inovadora, com menores consumos energéticos e elevado grau de durabilidade.

Depois de vários anos de pesquisa e de invenções em torno desta tecnologia foi possível a sua massificação na população em geral e, no momento, está presente por todo lado, no nosso quotidiano, graças a estes três investigadores. O prémio é de cerca de 900 mil euros bem merecidos, concerteza para a invenção da tecnologia mais comum no Séc. XXI e amiga do #Ambiente. #Inovação