Um estudo efectuado pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), em parceria com a Nottingham Trent University traçou, através de uma investigação junto de jovens até aos vinte cinco anos o retrato de uma geração que tem uma relação de quase dependência com a internet, já que se encontra quase sempre ligada ao mundo virtual.
O estudo evidencia ainda uma realidade preocupante: os indivíduos que demonstram sinais de dependência da internet, têm também sintomas de isolamento.
Os jovens até aos vinte cinco anos atribuem uma importância excessiva ao computador e outros dispositivos electrónicos e a necessidade que têm de estar permanentemente ligados ao mundo virtual, tem como consequência a alienação do convívio social e familiar, bem como o decréscimo do aproveitamento escolar.
Os investigadores do ISPA também concluiram que os jovens dependentes são, regra geral, do sexo masculino e frequentam o ensino secundário.
Alguns destes jovens põem em risco o seu bem-estar físico e psicológico, chegando por vezes a ficar sem comer ou dormir durante longos períodos tempo, para se manterem à frente do computador o máximo de tempo possível.
De acordo com os especilaistas, é necessário inverter esta tendência de uma forma controlada.
Os pais e educadores devem motivar os jovens a interessarem-se por outro tipo de actividades e a gerir o tempo passado ao computador e outros dispositivos de forma saudável, não esquecendo a importância do convívio com a família e amigos.

Os psicólogos consideram que este tipo de abordagem é preferível a limitar ou retirar o acesso ao computador.

A investigação também aponta a depressão como consequência do uso intensivo da internet.

Os investigadores do ISPA referem alguns comportamentos e sintomas que podem ajudar na identificação de casos graves de dependência: sintomas de tolerância perante o uso, sintomas de abstinência perante o não uso (irritabilidade e até mesmo agressividade) e em casos mais extremos, recaídas face a tentativa de se libertar desta dependência.