A Agência Nacional de Inovação Tailandesa (uma organização governamental) desenvolveu um robô com o formato de uma caixa e o tamanho de uma impressora grande, com sensores e circuitos que agem como uma língua e um nariz electrónicos. Chama-se e-Delicioso, custou 1 milhão de dólares e foi desenvolvido depois de a ex-Primeira Ministra tailandesa se ter queixado da falta de qualidade dos pratos de cozinha tailandesa a que teve de se sujeitar nas suas visitas ao estrangeiro. Foi criado um comité de controlo - o Thai Delicious - em que cerca de 200 pessoas de Banguecoque foram convidadas a provar versões diferentes de pratos tailandeses clássicos, como o "tom yum gung" (sopa de camarão agridoce) e o "kaeng khiao wan" (caril verde).

Publicidade
Publicidade

A versão consensualmente vencedora foi adoptada como padrão. O e-Delicioso tem nove sensores que medem o equilíbrio de seis sabores tailandeses: doce, azedo, amargo, salgado, apurado e picante - bem como o aroma dos pratos preparados. A apresentação visual, de suma importância na cozinha tailandesa, é também tida em conta. Versões 'low-cost' de alguns pratos ficaram abaixo do padrão de qualidade, mas quando pratos de cozinheiros de renome lhe foram submetidos, o e-Delicioso deu-lhes nota máxima: 90% pelo sabor e 100% pelo aroma. A nota mais alta de todos os tom yum gungs foi atribuída ao prato produzido pela chef Jay Fai, famosíssima em toda Banguecoque, e por muitos tida como a melhor.

Devemos então concluir que uma máquina pode julgar os melhores e mais autênticos cozinhados? "É um sonho impossível estabelecer um único standard," diz David Thomson, chef do primeiro restaurante tailandês a ganhar uma estrela Michelin.

Publicidade

"O paladar é algo muito subjectivo. Existem standards, mas a arte de cozinhar é um epítome da humanidade, com diferenças no sabor, tempero e técnica, que reflectem a personalidade do cozinheiro," acrescentou.

Então, e um robô de sabores? "É um artifício, uma ideia tola" disse. "Qualquer cozinheiro ou artesão de boas práticas sabe que um robô não poderá nunca analisar o produto da mão humana." Os autores do e-Delicioso não se dão por vencidos. Apesar do seu alto custo - 18.000 dólares cada unidade - esperam vender algumas unidades em cada país onde a cozinha tailandesa se encontra popularizada, de modo a oferecer pelo menos, um padrão consistente, segundo o qual os restaurantes de comida tailandesa possam ver as suas versões avaliadas. Mas, caso o robô não tenha sucesso, já têm na manga uma app: a Thai Deliciosa para #Smartphones. #Culinária