O Telescópio Espacial Hubble (NASA/ESA) capturou uma imagem espectacular da Galáxia IC335, parte de um conjunto de galáxias conhecido como Formax, situado a cerca de 60 milhões de anos-luz da Terra. Para se ter uma ideia, um 'ano-luz', unidade de medida utilizada para medir as distâncias espaciais, corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano, à sua velocidade natural e constante, no vácuo espacial. Isto faz com que, ao perscrutar as profundezas do universo, estejamos na realidade a "observar o passado", pois a emissão original da luz que chega até nós, já aconteceu há muitos milhões de anos. A imagem obtida da Galáxia IC335 põe, porém, aos astrónomos, algumas dificuldades de classificação, pois devido ao ponto de vista terrestre, apenas se pode ver uma imagem "lateral" da galáxia, e as galáxias são classificadas de acordo com a sua morfologia "facial": espirais ou elípticas, e dos "braços" ou da barra central que apresentam, quando vistas "de frente", segundo o esquema de classificação proposto por Edwin Hubble, ainda hoje o mais utilizado (ver imagem 'Classificação das Galáxias segundo Edwin Hubble').

Publicidade
Publicidade

No entanto, a IC335, com os seus 45.000 anos-luz de diâmetro, poderá ser classificada como sendo uma galáxia do tipo S0, ou lenticular, o que indica ser constituída por estrelas ou "matéria estelar" envelhecida e em fase de desvanecimento, com poucas estrelas novas a nascerem, por ter evoluído isoladamente no espaço, sem colidir com outras galáxias.

Distâncias intermédias são objecto de estudo recente

Estas imagens estão agora a ser objecto de estudo mais aprofundado, dado que até 2009, o Telescópio Hubble capturava imagens de luz visível (ao olho humano) e infravermelha, mostrando galáxias próximas ou muito distantes - até cerca de 'apenas' algumas centenas de milhões de anos após o "big-bang" (o início de tudo), segundo a NASA. No entanto, não havia dados sobre as galáxias de distâncias intermédias - entre 5 a 10 mil milhões de anos-luz - até que os cientistas se começaram a debruçar sobre o estudo da luz ultravioleta, apenas possível com um telescópio espacial, dado que a atmosfera terrestre absorve a maior parte da luz ultravioleta, de acordo com a NASA.

Publicidade

(fontes: U.S. NEWS, NASA (nasa.gov) #Inovação