O #Google tem, nos últimos anos, entrado no negócio de venda de serviços sem fios para os clientes privados. Nos últimos meses começou a falar-se na possibilidade de estar a contratar com uma operadora móvel para se tornar um operador de internet móvel virtual. Chega agora a confirmação, por parte da 'The Information', de que chegaram a um acordo com a operadora Norte Americana Sprint, para usar a sua rede física. É o mesmo tipo de sistema que utilizam, em Portugal, redes como a LycaMobile, Phone-ix, e Delight Mobile, e que se apoiam num operador já existente, sendo designadas por MVNO (Mobile Virtual Network Operators). Isto significa que a Google, para além de ter condições vantajosas de acesso à rede (sem ter de construir a sua rede física de raiz), tem também maior liberdade para definir os seus tarifários, uma vez que os seus custos de operação são fixos e conhecidos desde o início. #Inovação

Masayoshi Son, o presidente da SoftBank Corp que comprou a Sprint em 2013, foi fundamental nas conversações entre a Sprint e o Google, disse um dos envolvidos, que pediu para não ser identificado porque as discussões eram privadas. O Google vai pagar por capacidade na rede da Sprint, isto é, vai comprar um determinado pacote de serviços em grosso e depois vender o serviço aos seus próprios clientes. As condições financeiras são similares a outros operadores móveis virtuais, e o Google poderá começar a vender o seu serviço ainda este ano.


Oferecer um serviço wireless fará com que o Google tenha de gerir a venda física de hardware aos consumidores e competir com as operadoras que actualmente vendem e promovem os seus smartphones Android. No entanto, esta não será a primeira vez que tal acontece. O Google já compete com os prestadores de serviços - a empresa de Mountain View, na Califórnia, já introduziu um serviço de banda larga em algumas cidades norte-americanas, e conta expandir-se ainda mais. O Google também opera hotspots Wi-Fi em algumas regiões.


A venda de serviços sem fio pode permitir ao gigante da web ganhar mais utilizadores dos seus dispositivos móveis aos quais poderá vender e apresentar os seus anúncios, que são a coluna dorsal da empresa.
O negócio de publicidade móvel do Google tem vindo a crescer rapidamente, embora os preços destes anúncios sejam menores do que aqueles para PCs, ou seja, o Google necessita de uma estratégia de crescimento rápido nesta área, para compensar os preços mais baixos em cada anúncio.