A maior rede social do mundo anunciou que vai lançar uma nova opção que dará aos utilizadores a possibilidade de marcar uma determinada notícia como sendo falsa. Esta opção fará com que as notícias deixem de chegar a um maior número de pessoas e a empresa que a divulgou seja prejudicada. Com isto o Facebook quer impedir que as falsas notícias se tornem virais e alcancem um grande número de utilizadores.

A nova opção de denúncia foi criada especialmente para as notícias falsas que muitas vezes circulam pelo feed do Facebook. Muitos utilizados acabam por partilhar essas notícias, seja por falta de informação ou com o intuito de enganar.

Publicidade
Publicidade

Essas falsas notícias tornam-se muitas vezes virais devido ao grande número de utilizadores na rede e induzem em erro um grande número de pessoas. Com esta nova opção dada pelo Facebook, os utilizadores que verificarem que a notícia é uma farsa podem denunciá-la como sendo uma notícia enganosa. Se muitos utilizadores denunciarem a publicação como falsa, esta deixará de aparecer na página principal da rede social. Estas publicações não serão eliminadas mas deixarão de aparecer, tornando-se menos vistas.

Esta medida foi criada principalmente para denunciar publicações em que é chamada a atenção do utilizador para uma grande promoção ou oportunidade de ganhar algo de forma enganosa. E também para as falsas notícias sobre mortes de celebridades ou a existência de criaturas bizarras em algum local, que se revelam enganosas, mas que acabam por gerar grande curiosidade, tornando-se virais em pouco tempo.

Publicidade

Com esta nova opção, após receber denúncias de "falsa notícia" o algoritmo que selecciona as principais histórias - aquelas que realmente aparecem e chegam às pessoas - vai penalizar essas publicações, impedindo assim que cheguem a mais utilizadores.

Quem segue páginas satíricas ou de notícias propositadamente falsas com intuito humorístico - como o caso do Inimigo Público por exemplo - pode ficar descansado. O Facebook garantiu que artigos "intencionalmente humorísticos" e o "conteúdo claramente marcado como satírico" não serão afectados.