A empresa com mais de 126 anos de história, que ficou conhecida pelas suas máquinas fotográficas, pretende agora expandir-se para uma nova área de negócios. Depois de ter aberto falência há dois anos, a Kodak anunciou que se encontra a licenciar o seu nome para comercializar smartphones que possibilitarão a impressão e a partilha de fotos de uma forma mais rápida e fácil, noticiou o The Verge.

O telemóvel que foi criado pela marca tecnológica Bullitt Group, grupo britânico que estará responsável pela parte hardware do equipamento, foi apresentado na feira tecnológica "Consumer Electronic Show", em Las Vegas. Com o nome de Kodak IM5, o smartphone será lançado em Março na Europa, "para consumidores que apreciam o valor e a herança da Kodak", como revelou o CEO da marca.

Publicidade
Publicidade

São várias as características e potencialidades do telemóvel, como o ecrã de cinco polegadas, 1GB de RAM, cerca de 8GB de memória expansível e 1,7 GHz de processador. A grande novidade será a câmara traseira, que contará com 13 megapixéis com auto-foco, enquanto a frontal terá cerca de 5 megapixéis. O utilizador poderá ainda usar as várias aplicações do telemóvel, que permitirão a edição e a partilha de forma rápida e eficaz nas redes sociais e que terão ainda a capacidade de se conectar a impressoras. O smartphone contará ainda com uma sistema operativo #Android Kitkat, com um interface simples e de acesso rápido a várias funções, desde as chamadas às mensagens ou câmara. O dispositivo também contará com o Google Play para o acesso a aplicações.

Segundo a marca, este modelo é destinado aos consumidores que pretendem comprar um smartphone sem querer optar por marcas mais conhecidas do mercado.

Publicidade

No segundo semestre de 2015, e também no segmento móvel, a marca poderá ainda lançar um tablet PC e uma câmara de filmar. Com cerca de 126 anos de história, a Kodak ganhou em 2013 a aprovação judicial para retirar-se do processo de falência, depois de ter aberto falência em 2012 e vendido algumas das suas patentes para pagar as dívidas, num valor estimado em cerca de 6,75 mil milhões de dólares.