A ideia de um tradutor universal - um dispositivo capaz de traduzir várias línguas sem dificuldades - tem sido um dos temas recorrentes na ficção científica. A tecnologia ainda não chegou a esse ponto, mas a Google deu esta semana um passo importante nesse sentido, com a actualização da aplicação Google Translate. A primeira parte da actualização, lançada na passada quarta-feira, é uma ferramenta de voz que torna mais fácil ter algo parecido com uma conversa normal com uma pessoa que fale uma língua diferente, utilizando um smartphone como intérprete. A segunda é um tradutor visual que permite aos utilizadores fotografar ou simplesmente apontar o telemóvel para um texto e este é automaticamente traduzido.

Publicidade
Publicidade

Começando pelos controlos de voz, já há alguns anos que o Google Translate tinha esta ferramenta, que aparece agora melhorada. Na nova versão, a app é capaz de perceber quem está a falar a partir da língua que é utilizada. Imagine que quer pedir uma pizza em espanhol. Utilizando a aplicação, pode entrar no restaurante e falar para o telemóvel em português. Imediatamente, uma voz robótica repete o seu pedido na língua do país vizinho. Se o empregado lhe pergunta, em espanhol, se quer extra queijo, por exemplo, o telefone também faz a tradução. Responda "sim" ou "não" e lá sai a resposta, novamente em castelhano.

A aplicação ainda não é tão natural como a ficção científica. Em testes, provou resultar melhor em frases curtas, sem jargões, e requer algumas pausas entre traduções.

Publicidade

Mas é, certamente, mais um passo para eliminar as barreiras linguísticas. Afinal de contas, até um intérprete pessoal precisa de alguns segundos para fazer a tradução.

A segunda ferramenta é um tradutor visual. Os utilizadores podem apontar a câmara do smartphone a um sinal, cartaz, quadro ou qualquer outro texto, como se estivessem a tirar uma fotografia, e recebem instantaneamente a tradução no ecrã. Voltemos ao exemplo da pizza: basta apontar o telemóvel para o menu, que a tradução dos pratos aparece imediatamente no visor.

Se esta ideia lhe soa familiar, é porque já existia uma aplicação semelhante: o Word Lens, desenvolvido pela Quest Visual. A Google comprou a empresa em Maio, com a intenção de utilizar a tecnologia no seu tradutor, o que finalmente aconteceu. A empresa norte-americana aposta na #Inovação nas tecnologias da tradução, mas não é a única. O Skype, serviço de videochamadas da Microsoft, anunciou recentemente uma nova ferramenta que traduz simultaneamente chamadas entre falantes de inglês e espanhol.

Publicidade

Desde 2001 que a Google faz traduções. Actualmente, trabalha com 90 línguas. A app tem mais de 500 milhões de utilizadores mensais. Barack Turovsky, responsável pelo Google Tradutor, diz que a aplicação realiza cerca de mil milhões de traduções por dia e que cerca de 95 por cento das pessoas que utilizam os serviços de tradução do Google - seja em telemóveis ou em computadores - vivem fora dos Estados Unidos.

Tecnologicamente falando, o Google Tradutor funciona de forma semelhante ao motor de busca. Primeiro, usa um software para pesquisar a web, à procura de documentos que tenham sido traduzidos para diferentes línguas; depois, faz uma análise estatística de possíveis traduções. Por exemplo, se o computador vê que a palavra "perro" em espanhol foi traduzida para cão em português milhões de vezes, e em contextos diferentes, ele entende que "perro", muito provavelmente, quer dizer cão e, no processo, "aprende" a palavra.