A Dawn será a primeira nave a orbitar dois objectivos do sistema solar, tendo já explorado o proto-planeta Vesta durante 14 meses, entre 2011 e 2012. Ceres, com um diâmetro de 950 km, é o maior corpo da Cintura de Asteróides, que orbita o Sol entre Marte e Júpiter; inicialmente considerado como um planeta, aquando da sua descoberta a 1 de Janeiro de 1801 pelo astrónomo italiano Giuseppe Piazzi, foi depois considerado asteróide até 2011, ano em que foi reclassificado como planeta-anão. O seu formato esferóide sugere que o seu interior se componha de camadas de material rochoso (tal como outros planetas como a Terra), uma cobertura de gelo e uma camada fina de poeira na sua crosta, inferidos da sua densidade e velocidade de rotação de 9 horas.

Publicidade
Publicidade

Apesar de não ter um campo magnético e gozar de baixa gravidade, existem planos para que Ceres seja um dos possíveis locais para a colonização humana futura, provavelmente depois de se estabelecer uma base humana permanente em Marte.

Fotografias da superfície de Ceres apresentam-se até hoje como enigmáticas, pois detectaram-se pontos negros que desapareceram; actualmente surge um ponto branco, cuja origem se desconhece. Julga-se que exista sob a sua crosta fina uma grande quantidade de gelo (mais do que toda a água potável na Terra) e foram detectadas emissões de vapor na sua superfície, algo que apenas acontece nos cometas.

Os membros da missão da NASA e cientistas em todo o mundo estão na expectativa de ver imagens próximas da superfície de Ceres. "Ceres é um mistério quase completo para nós," disse o principal investigador Christopher Russell, da UCLA, num comunicado.

Publicidade

"Ao contrário de Vesta, Ceres não apresenta meteoritos que nos ajudem a revelar os seus segredos. A única coisa que podemos prever, com certeza, é que seremos surpreendidos."

A sonda Dawn, de 466 milhões de dólares, não se apoia em propulsionadores tradicionais de químicos, mas antes num sistema de propulsão super-eficiente, em que gás xénon é ejectado para a traseira da nave, gerando impulsão. "Orbitar ambos Vesta e Ceres seria realmente impossível com propulsão convencional. Graças à propulsão iónica, estamos à beira de fazer história, com a primeira sonda espacial a orbitar dois mundos extraterrestres inexplorados," disse Marc Rayman, Engenheiro Chefe e Director de Missão, da Jet Propulsion Laboratory, da NASA, no mesmo comunicado.

Dawn entrou agora na fase de aproximação a Ceres, e os próximos meses prometem vistas continuadamente melhoradas da sua superfície. No final de Janeiro, as imagens provenientes da sonda serão as melhores jamais obtidas do planeta-anão. #Inovação