Se antes exprimir sentimentos mais introvertidos era um problema, agora com o surgimento de uma nova proposta de "bonequinhos", os introjis, passa a ser possível pessoas mais tímidas transmitirem gostos, vontades e emoções através dos mesmos. Com o intuito de atenuar as dificuldades que os mais introvertidos possam sentir em expressar os seus sentimentos e estados de espírito, Rebecca Evie Lynchs apostou num novo tipo de emojis que permitem exprimir-se com maior facilidade. Estes ícones permitem divulgar aquilo que estão a fazer através de bonequinhos que espelham atividades como ler, jogar ou até mesmo a falta de paciência para as redes sociais.

Publicidade
Publicidade

O termo emoji vem do Japão e aplica-se aos conhecidos "emoticons" produzidos no país do Sol Nascente.

A verdade é que atualmente vivemos numa "febre" de emojis que atinge as redes sociais e que permitem substituir palavras por esses mesmos bonecos que nos permitem exprimir sentimentos e estados de espírito como a felicidade, o amor, a raiva e a diversão. Por outro lado, existem emoções e pensamentos que não conseguem ser expressados por emojis porque simplesmente não existem. Não conseguimos dizer à outra pessoa que precisamos de espaço para nós próprios ou de algum tempo sem redes sociais através de um boneco.

Nos dias atuais, e essencialmente no ambiente urbano há uma grande tendência de isolamento em que os utilizadores tendem a criar uma bolha em que só eles lá se inserem, excluindo as relações sociais da mesma.

Publicidade

Os introjis vêm servir esta vontade de estar só e de partilhar certas atividades e sentimentos mais introvertidos, que não incluam a raiva ou a alegria. São emojis que permitem transmitir estados de espírito mais pacíficos e até uma certa vontade de solidão, como por exemplo "estou na minha bolha e não me apetece sair".

A criadora desta nova gama de emojis afirma que por vezes é complicado exprimir alguns sentimentos mais introvertidos (como por exemplo "não me apetece ir à tua casa porque prefiro ficar no meu espaço a ver filmes") e que os introjis podem de facto ajudar. Rebecca Lynchs aguarda agora uma resposta por parte da rede social Facebook para que os seus bonecos destinados a pessoas mais introvertidas sejam aplicados na mesma.