Os utilizadores do Facebook vão em breve poder enviar dinheiro para os seus amigos utilizando a aplicação Messenger da rede social. Com esta incursão num novo segmento de mercado, a empresa vai entrar em competição com fornecedores de serviços de pagamento, como o Paypal ou o Square. O novo produto, semelhante ao Venmo, a app desenvolvida pela Paypal, permitirá aos usuários do Facebook enviar dinheiro através de computadores e de dispositivos móveis Apple ou Android. Para tal, deverão associar um cartão Visa ou MasterCard ao seu Messenger. Os pagamentos serão gratuitos.

A firma de Mark Zuckerberg realça que adoptou medidas de segurança que incluem um pin e sensores biométricos (nos dispositivos iOS).

Publicidade
Publicidade

Isto depois de as críticas ao Venmo terem apontado que a aplicação facilitava muito a vida a quem quisesse roubar dinheiro das contas bancárias dos utilizadores. "Usamos camadas de protecção de software e hardware que vão ao encontro dos padrões mais elevados da indústria", disse o Facebook num post publicado no blogue da empresa. "Estes sistemas de pagamento são mantidos num ambiente seguro, separado das outras partes do Facebook, e que tem controlo e monitorização adicional. Uma equipa de especialistas anti-fraude monitoriza actividades suspeitas para ajudar a manter as contas seguras", explica o texto.

O Facebook é o mais recente gigante da tecnologia a entrar no sector financeiro, depois de a Apple ter lançado o serviço de pagamento Apple Pay e a Google ter apresentado o Google Wallet.

Publicidade

A empresa contratou no ano passado David Marcus, líder da unidade do Paypal no eBay, para gerir a divisão do Facebook Messenger, à procura de formas de gerar retorno com esta aplicação. A maior parte das receitas do Facebook provêm da publicidade, mas os especialistas temem que colocar anúncios num serviço de mensagens pessoais possa ser visto pelos utilizadores como uma intrusão. Qualquer que seja a solução encontrada para o Facebook Messenger deverá ser também estendida ao WhatsApp, o serviço de mensagens que a rede social comprou no ano passado por 17.4 milhões de euros.

O Financial Times noticiou na passada Primavera que o Facebook se estava a preparar para fornecer serviços financeiros na forma de remessas ou dinheiro electrónico. A empresa negociou parcerias com, pelo menos, três start-ups que fornecem transferências internacionais de dinheiro, algo que poderá ser bastante popular entre os milhões de utilizadores globais do Facebook e do WhatsApp.

Há muito que o Facebook tem uma unidade de pagamento onde estão guardados os dados de cartões de crédito que os utilizadores utilizam para pagar recursos extra nos jogos que correm dentro da plataforma.

Publicidade

Já tinha também uma série de licenças para transferências de dinheiro nos Estados Unidos e requereu no ano passado a licença para se tornar numa instituição "e-money" na Irlanda, onde se encontram as instalações da empresa na Europa.

O Twitter também já testou um sistema de transferências de dinheiro de pessoa para pessoa, através de uma parceria em França que permitia aos utilizadores tweetar dinheiro para os seus seguidores. A S-money, uma divisão do Groupe BPCE, o segundo maior grupo bancário francês, juntou-se ao Twitter para disponibilizar este serviço no Outono passado. No entanto, a empresa ainda não criou outras parceiras semelhantes noutros mercados.