Numa era em que a ciência e tecnologia ganham uma importância crescente em termos de avanços tecnológicos, Portugal continua a marcar pontos nestas áreas através da criação de projetos inovadores e até mesmo pioneiros. É o caso de um projeto de um consórcio europeu que engloba universidades e empresas e que pretende levar a internet a locais sem rede. Para o efeito serão utilizados drones equipados com tecnologia de comunicação sem fios, contribuindo, assim, para que o mundo se torne cada vez mais numa aldeia global.

A empresa escolhida para a sua conceção foi a multinacional portuguesa Tekever, que integra este consórcio, e a vantagem da utilização deste sistema de drones é a de poderem ser utilizados em locais onde não existem infraestruturas fixas, permitindo assim que as comunicações possam ser fornecidas por este tipo de tecnologia.

Publicidade
Publicidade

A Tekever, situada em Óbidos, é a empresa portuguesa com mais projetos de investigação na área da aeronáutica e espaço financiados pela União Europeia, muitos deles virados para o futuro e onde a investigação ocupa muito do tempo dos 150 colaboradores, a maioria engenheiros, e se produzem cerca de 20 drones por mês.

De facto, e segundo Ricardo Santos, presidente da empresa, o recurso a tecnologias móveis e "wireless" em drones (veículos aéreos não tripulados) pode ter inúmeras utilidades, como é o caso de proporcionar cobertura de rede de telemóvel ou internet a populações de zonas rurais em locais recônditos mas, também, a habitantes ou equipas de segurança e da proteção civil que tenham ficado privados temporariamente de comunicações, como acontece em situações de catástrofes naturais.

Publicidade

Estes drones servirão, assim, como substitutos dos postes de comunicação. A multinacional portuguesa Tekever ficará encarregue de produzir a "arquitetura" das comunicações e dos drones através de testes aos seus vários tipos de equipamentos, visto haver os que têm a capacidade para voar por tempo limitado e os que conseguem estar no ar durante seis meses. O projeto, a concretizar em três anos, é financiado pelo programa da União Europeia Horizonte 2020, especificamente orientado para o apoio à investigação, #Inovação e demonstração através do cofinanciamento de projetos nestas áreas.