Uma equipa de analistas da empresa russa produtora de softwares de segurança na internet, Kaspersky Lab testou a segurança das pulseiras de fitness. Com a investigação, os especialistas descobriram que as pulseiras podem ser facilmente "hackeadas". Grande parte destes #Gadgets utiliza a tecnologia de Bluetooth LE para estabelecer ligação aos smartphones. Uma vez que grande parte das pulseiras não possui ecrã ou teclado, não é necessária qualquer palavra-passe para concluir a configuração. Segundo a equipa de profissionais, através de um simples código do kit de desenvolvimento do Android, é possível aceder a um grande número de pulseiras.

Num dos momentos do teste, foi criada uma aplicação para procurar pulseiras e ligar-se automaticamente.

Publicidade
Publicidade

O resultado foi que em algumas horas realizou-se a ligação a cerca de 54 pulseiras, sendo as marcas mais afetadas a Jawbone e FitBit, assim como a Nike, Polar, Microsoft e Quans.

A quantidade de informação acedida variou de aparelho para aparelho. Em alguns casos foi possível ter conhecimento de dados descritivos que, segundo os especialistas da empresa russa, podem corresponder a dados do utilizador. Neste momento, a informação a que é possível aceder não é considerada de grande importância mas esta realidade pode alterar-se com o aumento da tecnologia das pulseiras. Diversas empresas de segurança informática afirmam que atualmente, no mercado negro os dados pessoais que estejam ligados à saúde e atividade física valem mais do que números de cartões de crédito.

As pulseiras fitness são acessórios que têm despertado atenção entre a população iniciante ou praticante de desporto.

Publicidade

Estes gadgets oferecem ao utilizador ferramentas para melhorar a condição física e gerir a saúde. Dentro dos modelos disponíveis no mercado é possível encontrar pulseiras que enviam mensagens para lembrar de fazer exercício, que indicam o número de passos dados, a distância percorrida e o número de calorias queimadas. Agora, estes aparelhos também poderão despertar a atenção de hackers em busca de dados pessoais alheios.