"Não queremos saber dos Kardashian" é a justificação da empresa responsável pela criação do 'KardBlock'. Esta é a nova extensão para browser criada com a funcionalidade de bloquear fotografias e notícias referentes ao clã Kardashian. No comunicado publicado no seu site oficial, a 'Chameleon' vai mais longe, dizendo mesmo que "não queremos saber se a Kim pintou o cabelo de loiro".

A extensão tem na 'AdBlock' a sua congénere. No entanto, em vez de bloquear anúncios, impede que as novidades da família Kardashian invadam o feed de notícias dos usuários da Internet. A mais afetada pela criação da 'KardBlock' é mesmo Kim Kardashian, a mais polémica e conhecida do clã.

Publicidade
Publicidade

A empresa especializada em redes sociais, como o Facebook e o Twitter, refere que não quer "saber com quem estão ou não os Kardashians a dormir", pelo que o objetivo é filtrar o conteúdo visualizado em qualquer rede social ou site e, assim, dar "maior importância a assuntos verdadeiramente importantes". James Shamsi, programador da 'Chameleon', afirma mesmo que a extensão procurar "tornar a Internet um sítio melhor".

A 'KardBlock' ainda se encontra na fase de testes mas já está disponível para experimentar. Para usufruir da extensão no seu computador, tem de aceder ao site e preencher um campo com o seu e-mail. Os conteúdos da família Kardashian desaparecem instantaneamente.

Contudo, nem todos as notícias e imagens referentes aos Kardashian serão eliminados. A transexualidade de Bruce Jenner, padrasto de Kim Kardashian, e o apelo da socialte famosa pelo seu rabo para a angariação de fundos para as vítimas do recente terramoto do Nepal, continuam disponíveis para visualização, sem qualquer filtro.

Publicidade

De acordo com a 'Chameleon', seguem-se novas celebridades que serão visadas pela extensão. Justin Bieber é o próximo alvo da empresa especialista em redes sociais, procurando bloquear os conteúdos relacionados com o cantor pop canadiano, envolvido nos últimos tempos em várias polémicas e escândalos. #Famosos

Recorde-se que, tal como o jornal britânico 'Telegraph' avança, já em 2012 o Google Chrome criou a extensão 'Silence of the Celebs' e que se comprometia a bloquear todas as referências a celebridades.