David Beckham não pára de surpreender, tendo agora lançado uma marca de uísque - e que nem sequer tem o seu nome. Já aqui falámos antes que o marido de Victoria, a ex-Spice Girl, se tem revelado o empresário dos mil talentos: além de ser um dos melhores futebolistas mundiais da sua geração, foi o primeiro futebolista a enveredar pelo mundo da moda, já foi actor, e recentemente vimo-lo como narrador/apresentador do seu próprio programa de viagens, à la Anthony Bourdain. Agora, vemo-lo a lançar uma marca de whisky escocês, a Haig Club. E poder-se-ia pensar que se trata de um simples golpe publicitário, como se fosse uma peça de merchandising - tal como fazem o Sporting CP, o SL Benfica e o FC Porto, que partilham o fornecedor de uma bebida alcoólica, exactamente igual para os três.

Publicidade
Publicidade

Mas não é apenas isso.

Certamente que ter o nome de Beckham associado é um desbloqueador poderoso e uma grande ferramenta de marketing, mas o futebolista inglês apresenta-o como um produto verdadeiro e diferente - enfim, como um verdadeiro marketeer, que ao mesmo tempo cuida da sua própria imagem, não se associando a produtos sem qualidade. Na apresentação oficial que decorreu a semana passada, em Edimburgo, Beckham referiu que se tratou de um desenvolvimento cuidado, desde a construção artesanal da garrafa até à selecção dos grãos de cereal utilizados na fabricação. A festa incluiu um conjunto de celebridades inglesas e internacioais, como Gordon Ramsay, Owen Sullivan e Jimmy Choo. O futebolista surge associado à Diageo, a maior fabricante de bebidas brancas do mundo, sedeada em Londres e proprietária de marcas de renome mundial como o uísque Johnnie Walker ou a vodka Smirnoff.

Publicidade

#Famosos

O Haig Club é assim mais uma "aventura" empresarial e de marketing de Beckham, que continua a revelar tanto talento e inteligência para gerir a sua carreira e os seus #Negócios fora das quatro linhas como dentro - ao mesmo tempo que cuida também da sua vida pessoal, estando a criar uma família aparentemente sólida e numerosa. Trata-se, na verdade, de um soberbo exemplo que deveria ser seguido pelas crianças e jovens que aspiram a ser jogadores de futebol - e que poderiam aspirar a ser muito mais do que isso.