Diz-se que filho de peixe sabe nadar. No mundo das celebridades, mais do que talento, os descendentes de #Famosos têm oportunidades únicas para começar uma carreira em áreas como a publicidade e o #Entretenimento, um privilégio a que muitos não têm acesso. Veja-se o exemplo de Romeo Beckham, que aos 12 anos terá recebido 45 mil libras (cerca de 57 mil euros) para dar a cara pela campanha publicitária de Natal da Burberry's. O filho do ex-jogador de futebol David Beckham e da ex-cantora e empresária de topo Victoria Beckham já tinha participado numa campanha para a marca de luxo aos 10 anos de idade. Não é surpreendente que o filho de duas celebridades que já participaram em diversos anúncios seja também ele protagonista nessa área.

Publicidade
Publicidade

Por outro lado, Brooklyn Beckham, o filho mais velho do casal britânico com uma fortuna avaliada em 238 milhões de euros em 2013, terá sido contratado para trabalhar num café ainda este ano. Para aprender o valor do dinheiro, segundo os pais. Na altura, alguns artigos de opinião questionavam o quão justo era o filho de uma celebridade ocupar um posto de trabalho que seria útil a pessoas mais necessitadas. No entanto, a mesma questão não é colocada quando descendentes de famosos são contratados para cargos semelhantes aos dos pais.

Cunhas de luxo

Se os filhos das celebridades fossem antes meros desconhecidos, será que conseguiam trabalhos como os de Dylan Brosnan (filho de Pierce Brosnan) e de Jack Kilmer (filho de Val Kilmer), que se estrearam há pouco tempo como modelos para a Yves Saint Laurent? Será que Jaden Smith (filho de Will e Jada Pinkett Smith) tinha conseguido entrar para o mundo da representação e a irmã Willow tinha conseguido ser cantora? Será que Lily Collins (filha de Phil Collins) teria conseguido ser actriz e embaixadora de marcas como a Lancôme? Como estes há muitos outros exemplos de como filho de peixe sabe nadar e tem acesso a mares já muitas vezes navegados através de cunhas de luxo.

Publicidade

A lista continua: a actriz Emma Roberts (sobrinha de Julia Roberts e filha de Eric Roberts, ambos actores); a jovem modelo Kaia Gerber (filha da modelo Cindy Crawford); o actor Charlie Sheen (filho do actor Martin Sheen); a actriz Zoe Kravitz (filha do cantor Lenny Kravitz); o actor Charlie Sheen (filho do actor Martin Sheen); a cantora e actriz Miley Cyrus (filha do cantor Billy Ray Cyrus); e até Angelina Jolie (filha do actor John Voight e da modelo Marcheline Bertrand), que atingiu a fama como actriz, mas que há pouco tempo confessou sentir-se desconfortável no estrelato.

Se em alguns casos o talento é evidente, há também muitos outros em que o que prevalece é o estatuto da família, assim como a beleza herdada. Este é mais um indicador de como a meritocracia, ou o mérito como forma de ser bem-sucedido, tem sido cada vez mais deixada de parte para privilegiar apenas alguns.

Um recente estudo conduzido por Richard Reeves e Isabel Sawhill, mostrou que crianças provenientes de agregados pobres não têm mais oportunidades para vingar na vida mesmo que sejam excelentes alunos por comparação a crianças provenientes de famílias ricas que sejam piores alunas, a quem o estatuto familiar permite conseguir emprego mais rápida e facilmente.

Publicidade

Embora não existam muitos mais estudos sobre as cunhas, o facilitismo e o nepotismo prolífero no seio das classes mais privilegiadas, sejam parte do mundo das celebridades ou do mundo empresarial, é de senso comum que a meritocracia é cada vez mais um mito.

O que pensa o leitor?