"Eu gostaria de passar uma semana com Putin para o entender melhor", confessou Conchita Wurst, vencedora do Festival Eurovisão da Canção (ESC) de 2014, durante uma entrevista ao jornal austríaco Kurier, quando questionada sobre uma possível visita à Rússia, país com uma forte legislação anti-homossexual. Para além de ter manifestado esta vontade em visitar o presidente russo, a "mulher barbuda" falou ainda da pressão a que o presidente do maior país do mundo está sujeito. "No final do dia, Putin só quer ser respeitado!", afirmou Conchita. "Este desejo de ser respeitado une Putin às minorias", acrescentou.

Recorde-se que a Rússia, país onde os homossexuais são bastante discriminados, implementou, em 2013, leis que criminalizam "o estilo de vida gay".

Publicidade
Publicidade

Segundo as autoridades russas, neste estilo de vida estão também incluídas as demonstrações públicas de afecto entre pessoas do mesmo sexo. A vencedora do Festival Eurovisão da Canção deste ano, em representação da Áustria, colocou em causa a aceitação das mesmas por parte dos compatriotas de Vladimir Putin. "Tenho muitos fãs na Rússia. Isto é incrivelmente bonito porque mostra que muitos russos não concordam com as decisões do governo", apontou Conchita Wurst, alter ego de Thomas Neuwirth, referindo-se à legislação que proíbe a propaganda homossexual. Entretanto, o secretário de imprensa do presidente russo, Dmitry Peskov, riu-se das afirmações de Conchita e afirmou que será "muito improvável" que tal encontro se venha a realizar.

Em maio deste ano, após a sua vitória na Eurovisão, para a qual a Rússia contribuiu com 5 pontos, gerou-se uma onda de contestação no país.

Publicidade

"Isto é o fim de uma Europa que ficou completamente louca. Eles têm mais mulheres e homens lá em baixo mas preferiram apresentar um travesti de barba", afirmou Vladimir Jirinovski, presidente do Partido Liberal russo, acerca do resultado alcançado pela intérprete da canção "Rise Like a Phoenix". Por outro lado, a Igreja Ortodoxa russa classificou Conchita Wurst como uma "abominação". Toda esta polémica em torno da vencedora da maior competição musical da Europa levou a que a sua presença num programa no canal russo Muz-TV, já agendada antes da conquista do 1.º lugar na Eurovisão, fosse cancelada no final do passado mês de maio, tendo havido também esforços por parte de alguns políticos para impedir a sua entrada no país.

Após a vitória no ESC, Conchita Wurst tornou-se um símbolo da luta contra a discriminação sexual, tendo já participado em conferências organizadas pelo Parlamento Europeu e pela ONU. Depois de 48 anos sem nenhuma vitória no ESC, Conchita Wurst levou o Festival de volta a Viena.

Publicidade

Para além disso, o seu nome, que foi inclusive um dos mais pesquisados mundialmente em 2014, foi confirmado há poucos dias no quarteto de apresentadoras da próxima edição da competição de música europeia (realiza-se nos dias 19, 21 e 23 de maio de 2015), que contará também com as presenças de Mirjam Weichselbraun, Alice Tumler e Arabella Kiesbauer. #Famosos