O programa televisivo "Casa dos Segredos", que chegou a Portugal em Outubro de 2010, e que é exibido diariamente na TVI, foi alvo de duras críticas por parte de D. Duarte de Bragança, o herdeiro da coroa portuguesa. Actualmente, a "Casa dos Segredos" conta já com cinco edições e é líder de audiências na #Televisão, nas noites de domingo. Os últimos dados apontam que o final da quinta edição daquele programa da estação de Queluz de Baixo (na noite de 31 de Dezembro de 2014 para 1 de Janeiro de 2015) foi visto por 1 milhão e 510 mil espectadores, o que representa um share líder de 45,1%. Porém, para o Chefe da Casa Real Portuguesa, a "Casa dos Segredos" é um programa "degradante".

Em declarações à revista semanal "Mariana", D.

Publicidade
Publicidade

Duarte de Bragança, de 69 anos, declarou que o Estado devia impor um "limite legal" a este "tipo de programas" aquando da emissão de licenças de televisão. Mas o Duque de Bragança vai mais longe, ao defender que a "Casa dos Segredos" não passa de um "bordel", de uma "porcaria", na medida em que, tal como acontece nas "telenovelas brasileiras", contribui para uma forma de "estupidificação" do povo português. D. Duarte sustenta que a televisão deveria ter uma oferta mais "educativa", visto que é o órgão de comunicação social que mais contribui para a formação do pensamento da população.

TVI não confirma nem desmente notícia fim da "Casa dos Segredos"

Tem sido veiculado nos últimos dias que a estação de Queluz de Baixo já procura alternativas à "Casa dos Segredos". Ainda que as audiências da última edição daquele fenómeno televisivo tenham contribuído para a TVI cimentar a sua posição de líder, a verdade é que a quinta edição do programa obteve valores inferiores comparativamente a outras edições.

Publicidade

No entanto, Luís Cunha-Velho, director-geral da TVI, desvaloriza os rumores: "Porquê a última edição [da Casa dos Segredos]? A TVI lidera há 100 meses consecutivos. Fechámos 2014 como líderes absolutos, com uma diferença significativa para o nosso principal concorrente", disse, em declarações à revista "TV Mais".