"Assim vai passando o dia para o homem virtuoso. Mas quando a noite chega tenho muito cuidado em não chamar o sono! Aquele que é senhor das virtudes não quer ser chamado". Seria esta a "Inesperada Virtude da Ignorância", assinalada por Friedrich Nietzsche num dos seus mais emblemáticos livros, que González Iñárritu queria introduzir no espírito atormentado da personagem principal de Birdman? Riggan Thomson, magistralmente interpretado por Michael Keaton, carrega na alma um alargado número de intuições maldosas que transformam as tais virtudes ocultas em ignorantes transtornos psicológicos. Thomson é um super-herói icónico que está de corpo e alma concentrado na sua nova peça teatral e que, enquanto não for repescado para o mundo artístico não consegue nem quer ser chamado a dormir, tal e qual Zaratustra, o homem que estava decidido a tornar-se senhor absoluto das suas próprias paixões no livro do escritor alemão.

Publicidade
Publicidade

A obscuridade da deambulante câmara do realizador mexicano atingiu o clímax neste filme. O espectador, forçosamente cativado a entrar nos bastidores de uma peça teatral da Broadway em Nova Iorque, é uma espécie de copiloto de Keaton, que juntamente com Edward Norton, Emma Stone, Naomi Watts, Zach Galifianakis e o restante elenco, deslumbra e penetra por entre as metáforas do humor negro da narrativa. Os longos planos-sequência iludem de uma forma muito inteligente, dando a sensação que todo o filme acontece num só take, e são acompanhados alternadamente por um som percussivo.

Já lá vão quinze anos desde que Alejandro González Iñárritu se deu a conhecer ao mundo cinematográfico com "Amor Cão", um magnífico filme que explorou a sociedade mexicana através de três histórias entrelaçadas e que, para além de nomeado para Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, catapultou internacionalmente a carreira do actor mexicano Gael Garcia Bernal.

Publicidade

O sucesso foi inevitável e todos os caminhos foram dar aos Estados Unidos e a Hollywood. Na mala de viagem Iñárritu levou consigo o roteirista Guilhermo Arriga e o original método de cruzamento de histórias usado pelos dois foi mantido em "21 Gramas" e "Babel", os dois projectos seguintes.

Depois de um não menos sucedido "Biutiful", filmado de forma muito crua no submundo de Barcelona e protagonizado em 2010 por Javier Bardem, o mexicano voltou novamente a confirmar todo o seu talento e terá agora, no dia 22 de Fevereiro, a sua grande chance de arrecadar o primeiro e merecido Óscar da sua carreira. #Filmes #Cinema