O apresentador da RTP, Júlio Isidro, apresentou esta terça-feira, dia 17, o programa Agora Nós. Se viu os minutos iniciais do programa, não diria que o eterno comunicador da RTP estava, às 9h, ainda em pijama em sua casa. Só com as explicações é que o público percebeu o que se estava a passar. Com Tânia Ribas de Oliveira inesperadamente doente e José Pedro Vasconcelos de férias, coube a Júlio Isidro apresentar o programa das manhãs.

"O programa segue dentro de momentos", foi com esta mensagem que o Agora Nós começou. Quando o cartaz saiu do ecrã, apareceu Júlio Isidro, para surpresa de todo o público. O nervosismo não se notava no apresentador, mas ele aprontou-se a brincar com toda a situação. Júlio brincou com o cartaz e contou, no mês em que o canal público comemora 58 anos, que o aparecimento do placar no ecrã era algo que acontecia nos primeiros anos do canal, pelo menos quando havia problemas na emissão. Mas continuou. Para além deste cartaz, Isidro conta ainda que também era comum aparecer "um gatinho a brincar com um novelo de lã e nós ficávamos 10 minutos a olhar para o gatinho", conta.

O talento nato deste comunicador fez com que brincasse com toda a situação: "o meu nome não é Tânia Ribas de Oliveira e também não é José Pedro Vasconcelos". Mas o humor continua: "eu sou apenas um suplente que estava em pijama às 9h da manhã", brinca. Júlio Isidro conta que, ainda em pijama, recebeu, às 9h, a chamada do diretor de programas. Na chamada, apenas foi dito "Júlio, vai apresentar o programa da manhã, esta manhã". Incrédulo, pergunta "mas quando? Em que ano?". Os risos no público continuaram, e Júlio também continuou a brincadeira "então foi só tomar um duche, porque eu gosto de vir limpinho". Antes de seguir para a apresentação dos conteúdos, Júlio antecipa-se a pedir desculpa e a informar que estava com teleponto e com auricular para a produção lhe ir dizendo quem ia apresentar e o que vinha a seguir: "a pessoa que sabe menos sobre este programa sou eu", admite. A apresentação acaba com mais uma brincadeira: "o programa, hoje, não se chama Agora Nós, mas sim Agora é Que São Elas".